Author admin

Google Meet já faz parte do dia a dia da maioria dos brasileiros

Há um ano, o Google anunciou que tornava gratuito para todos o Google Meet, o seu serviço profissional de reuniões por vídeo. Desde então, a plataforma do Google não apenas ajudou a conectar os brasileiros durante os períodos de isolamento, como se tornou parte de suas vidas. De acordo com dados inéditos do Google, neste primeiro ano de versão gratuita, o tempo dedicado ao Google Meet aumentou 20 vezes no Brasil. E o ritmo não para: de janeiro de 2021 até agora, o uso da plataforma no país cresceu 275%.

“No último ano, as pessoas foram aprendendo sobre o universo de atividades que podiam fazer pelo Google Meet”, afirma Raquel Cabral, Head de Vendas de Google Workspace para a América Latina. “Nesse período, também recebemos diversos retornos dessas pessoas, e aprimoramos a ferramenta para atender algumas necessidades. Por exemplo, pensando nos brasileiros, criamos um recurso para reduzir o consumo de dados “, completa.

Para entender melhor a relação dos brasileiros com o Google Meet, a empresa conduziu uma pesquisa on-line com 1.551 pessoas em todo o país*. A maior parte dos entrevistados (55,4%) usa o Google Meet várias vezes por semana, e um terço deles usa o Meet pelo menos uma vez por dia. As principais razões para o acesso à ferramenta são reuniões de trabalho ou estudo.

A pesquisa ainda revela que o Meet também ajuda a conectar pessoas em outros momentos da vida cotidiana. Cerca de dois em cada cinco brasileiros usam a plataforma para atividades pessoais: de encontro casual com amigos a chá de bebê, passando por aulas de desenho ou artesanato, eventos religiosos, namoro e terapia. “Nos últimos 12 meses, a criatividade e o desejo de se conectar mostrou que as possibilidades das videochamadas vão muito além do que se podia imaginar”, complementa Raquel.

Confira abaixo os principais hábitos dos brasileiros conectados que usam o Google Meet, segundo a pesquisa do Google Brasil:

• A maior parte dos entrevistados (55,4%) usa o Google Meet várias vezes por semana.

• 34% dos entrevistados usam o Google Meet pelo menos uma vez por dia.

• Mais de 73% dos entrevistados usam o Google Meet para estudar, 59% usam para o trabalho e 44% para a vida pessoal.

• As principais atividades sociais apontadas no estudo como realizadas no Google Meet são encontros virtuais com amigos (31%) ou familiares (17%). Cerca de 7% usaram a ferramenta para encontro romântico ou para reunir-se com namorado(a) e cônjuges.

• Os entrevistados também usaram a ferramenta para jogar online (11%) ou assistir a jogos de futebol (3%) com amigos.

• Além de aulas de escola ou universidade (56%), os entrevistados utilizam o Meet para outras atividades de aprendizado, como aulas de idiomas (16%), música (8%), desenho (7%), culinária (6%) e artesanato (4%).

• Os principais eventos apontados no estudo como realizados no Meet pelos entrevistados são os religiosos (17%), seguidos pelas festas de aniversário (14%). Mas, durante os últimos 12 meses, a plataforma também hospedou clubes de livro e saraus virtuais (7%), visitas a museus ou exposições de arte (6%), chás de bebê ou revelação, e também festas de casamento (ambas com 4%).

• 15% dos entrevistados fazem exercícios físicos usando o Meet, enquanto 11,2 % têm sessões de terapia e 7%, de meditação.

• 12% dos entrevistados usaram a ferramenta para trabalhos voluntários; 8% para entrevistas de emprego; e 7% para mentoria ou coaching.

*A pesquisa acima foi feita por meio da ferramenta Google Consumer Surveys, que exibe a pesquisa para as pessoas que acessam a web por meio da Rede de Display do Google e do aplicativo Google Opinion Rewards.

Novos recursos da plataforma

A partir de maio, o Google Meet apresenta novidades para tornar a experiência das videochamadas ainda mais agradáveis. Com os novos recursos, as pessoas terão mais autonomia sobre a exposição de sua tela (podendo destacar alguém, ou omitir a própria imagem, se quiser), poderão escolher fundos animados e, para os rostos que estiverem com pouca nitidez, haverá ajuste automático do brilho. Já quem utiliza o Meet em movimento poderá economizar dados, sem afetar a qualidade das transmissões .

– Alta qualidade em qualquer dispositivo: para aprimorar a experiência das reuniões em vídeo quando a pessoa está em movimento, o Google Meet lançou o Modo de Economia . O recurso reduz o uso de dados e permite que as pessoas economizem no consumo de seus pacotes, uma novidade relevante para pessoas de países onde o custo de dados de internet pode ser alto, caso do Brasil.

– Mais espaço para visualizar conteúdos compartilhados por outros participantes: graças ao visual renovado e às melhorias na forma de fixar e ocultar conteúdos na tela, será possível fixar vários blocos e decidir em quais imagens se concentrar. Um exemplo: destacar uma apresentação e um participante, ou então vários participantes de uma só vez.

– Não quer se ver na tela? Tudo bem. Muitas pessoas que usam o Meet afirmaram que se concentram melhor e sentem menos cansaço quando não enxergam a própria imagem na tela. Por isso, agora será possível redimensionar, reposicionar e até ocultar sua própria imagem. Ao fazer isso, o espaço liberado na sua tela pode ser usado para ver os rostos dos demais participantes da reunião.

– Ajuste automático de imagem para versão web. Desde 2020, quem utiliza o Meet em smartphones tem à disposição o modo low-high, que, por meio da IA, aprimora automaticamente a nitidez da imagem quando a pessoa está num ambiente com pouca iluminação, ou quando há uma luz forte atrás. Agora, este recurso também estará disponível na versão web. Já os vídeos com rostos em sub-exposição receberão um ajuste automático de brilho, melhorando a visualização do interlocutor e, consequentemente, deixando a conversa mais agradável.

– Planos de fundo animados. Agora, será possível incluir vídeos no seu plano de fundo. Além da privacidade, protegendo o cenário atrás do participante, a novidade deixará as reuniões mais divertidas. A princípio, haverá três opções: uma sala de aula, uma festa e uma floresta. Em breve, outros fundos animados estarão disponíveis.

O fundo de tela animado é uma das novidades do Google Meet para o mês que vem

Vivo abre canais pay-per-view do BBB 21

Clientes Vivo que utilizam o serviço de TV por assinatura vão poder conferir de perto toda a emoção do final da temporada do BBB 21. A partir desta sexta-feira, 30 de abril, à 02 de maio, os canais pay-per-view BBB1, BBB2 e BBB Mosaico estarão disponíveis para clientes usufruírem, sem nenhum bloqueio, e assim garantir o entretenimento do fim de semana. Para ver todo o conteúdo, basta acessar os canais 715, 716 e 717 na grade IPTV.

TikTok lança campanha para apoiar conteúdo educativo no Brasil

A campanha #AgoraVocêSabe e o programa #AprendaNoTikTok vão reforçar a produção de conteúdo educacional no aplicativo e dar apoio aos criadores

Para marcar a semana em que se comemora o Dia Nacional da Educação, 28 de abril, estamos lançando a campanha #AgoraVocêSabe para incentivar a produção de conteúdo educativo na plataforma. A iniciativa faz parte da estratégia de longo prazo para fortalecer o ecossistema deste tipo de conteúdo que é tão popular no TikTok. A #AprendaNoTikTok já tem mais de 601 milhões de visualizações até hoje.

Temos feito parcerias com instituições educacionais, figuras públicas e especialistas para trazer mais vídeos educativos para a plataforma e oferecer uma opção de aprendizagem criativa para a comunidade. Também investiremos e ofereceremos mais recursos para apoiar o conteúdo educativo e os criadores.

Quando falamos em educação, podemos dizer que o TikTok se tornou um grande “hub” mundial de conteúdo e que tem democratizado o aprendizado na comunidade digital, apoiando os usuários e fornecendo acesso a conteúdo de alta qualidade, com alcance de milhões de usuários ávidos em aprender.

Ao abrir o aplicativo, é possível encontrar diversos assuntos e criadores que compartilham desde conteúdo educacional tradicional, como ciência e matemática, até dicas no estilo faça você mesmo, como um tutorial de maquiagem ou uma receita de bolo, por exemplo.

O TikTok tem contribuído muito para democratizar o acesso a esses conteúdos. Através de ferramentas e recursos que facilitam a busca e produção de vídeos divertidos, a plataforma tem ajudado milhões de estudantes, educadores e professores em um momento desafiador, em que o ensino à distância foi necessário.

“Atualmente, as pessoas recorrem ao TikTok não apenas para entretenimento, mas para aprender algo novo, adquirir uma nova habilidade, ou simplesmente se inspirar para fazer algo que nunca fizeram antes. Essa é uma tendência que o TikTok quer acelerar cada vez mais, tornando o ambiente de sua comunidade cada vez mais propício para a educação”, afirma o gerente de Parcerias de Conteúdo do TikTok no Brasil, Ronaldo Marques.

No TikTok, aprender é divertido e envolvente e as pessoas estão consumindo conteúdos por escolha, provocadas pelo amor por um assunto. Essas experiências educativas promovidas pelo aplicativo tornam os conteúdos educacionais acessíveis de qualquer lugar, produzidos por criadores e educadores apaixonados, participantes de uma comunidade extremamente conectada por interesses e afinidades.

#AgoraVocêSabe

Através da campanha #AgoraVocêSabe, que termina em maio, vamos premiar os melhores criadores de conteúdo educacional, desde vídeo motivacional, conselhos de carreira e negócios, DIY, Ciências, fatos curiosos, entre outros. Para participar, os criadores devem produzir pelo menos cinco vídeos para inspirar a comunidade do TikTok até o fim da campanha, usando as hashtags #AgoraVocêSabe.

Programa de Aceleração #AprendaNoTikTok

Estamos lançando também o #AprendaNoTikTok, um programa de aceleração que vai ajudar criadores a produzirem conteúdos educacionais e se desenvolverem cada vez mais na plataforma. Até o fim do ano que vem, os produtores de conteúdo do TikTok terão oportunidade de serem incubados por dois meses e de participarem de workshops para aprenderem mais sobre a plataforma e se conectarem ainda mais com a incrível comunidade TikTok. A partir do dia 1º de maio, os interessados poderão se inscrever procurando o termo #AprendaNoTikTok na busca do app e clicando na página que aparecerá com o nome de “Programa de Aceleração”.

Amazon revela os livros mais vendidos ao redor do mundo

A literatura é linguagem universal, presente em todos os hemisférios do planeta, e que mesmo com idiomas e alfabetos diferentes, une milhões de leitores apaixonados pelas letras. A Amazon, que tem os livros como parte do seu DNA desde o começo e está presente em 190 países atualmente, fez uma relação dos livros mais amados em países dos quatro cantos do mundo. A contagem soma a venda de livros em todos os formatos e empréstimos por meio do programa de assinatura Kindle Unlimited de março de 2020 a março de 2021.

No Brasil, o mais vendido no último ano pode não surpreender: responsável por despertar o espírito leitor em milhões de jovens, o primeiro livro da saga do bruxinho Harry Potter – Harry Potter e a Pedra Filosofalde J.K Rowling, ocupa o número 1 da lista. O segundo lugar nacional diz muito dos ensinamentos procurados para viver a quarentena com a saúde mental em dia, o livro Arrume a sua cama: Pequenas coisas que podem mudar a sua vida… E talvez o mundo de William H. McRaven. A obra sugere pequenas atitudes transformadoras para mudar a rotina. Já o terceiro lugar no país é ocupado pelo livro Como convencer alguém em 90 segundos: Crie uma primeira impressão vendedora de Nicholas Boothman, essencial para estabelecer uma comunicação de sucesso, também muito importante nos dias de hoje.

Uma perspectiva global da literatura

As preferências dos leitores ao redor do mundo são tão únicas quanto os países e culturas que representam, mas também mostram similaridades. Veja algumas das tendências e destaques dos dados dos livros mais vendidos nos formatos impresso e digital na Amazon ao redor do mundo durante o ano de pandemia:

• No México e nos Emirados Árabes Unidos, os livros de autoajuda reinaram. Os clientes do México se voltaram para A sutil arte de ligar o f*da-se e os clientes dos Emirados Árabes Unidos tentaram encontrar alegria e conforto nos momentos do dia a dia lendo Ikigai : O segredo dos japoneses para uma vida longa e feliz .

• A Turquia preferiu as obras clássicas de Victor Hugo ( O último dia de um condenado), enquanto obras de ficção moderna lideraram as listas na Espanha ( Rey Blanco) e Austrália ( Um lugar bem longe daqui).

• Como vizinhos próximos, Canadá e Estados Unidos foram os únicos dois países que compartilharam a mesma preferência por livros. Uma terra prometidaas memórias do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está no topo das listas em ambos os países.

• Os leitores na Arábia Saudita preferem um livro cheio de quebra-cabeça como o Brain Games for Clever Kids; os clientes italianos adoram um romance animado chamado Le Storie del Mistero, e o Reino Unido só queria saber das lições universais encontradas em O menino, a toupeira, a raposa e o cavalo .

Para quem está interessado em ler as obras citadas, os títulos estão disponíveis na Amazon em formatos impresso e digital. Membros Prime aproveitam frete GRÁTIS para todo o Brasil. Na versão em eBook Kindle, podem ser adquiridos e lidos com o aplicativo gratuito Kindle para computadores, tablets e smartphones, além de e-readers Kindle. Assinantes do Kindle Unlimited e do Amazon Prime também têm acesso a catálogos de eBooks para download sem custo adicional, de acordo com cada assinatura. Para saber mais acesse a página da Loja Kindle .

Com o Amazon Prime, o programa de assinatura que oferece uma combinação de compras e entretenimento, clientes têm acesso a Originais Amazon premiados, filmes, séries e documentários de sucesso no Prime Video e a um catálogo rotativo de centenas de livros e revistas digitais no Prime Reading. Além disso, assinantes do Amazon Prime também recebem frete gratuito e rápido em produtos sinalizados com o selo Prime no site da Amazon; mais de dois milhões de músicas, sem anúncios, no Prime Music; e jogos no Prime Gaming, tudo por apenas R$ 9,90 por mês ou R$ 89,00 no plano anual, um desconto de 25%. Novos clientes podem experimentar os serviços gratuitamente por 30 dias. Outro serviço para os amantes da literatura é o Kindle Unlimited, que tem à disposição mais de 1 milhão de títulos por apenas R$ 19,90 por mês.

Quais são as principais tendências do mercado imobiliário

Conheça quais são as mudanças mais importantes no jeito de morar, negociar e até novos conceitos que estão surgindo

Contrariando a crença popular de que se trata de um setor conservador e pouco aberto para modernização, o mercado imobiliário vem passando por uma verdadeira revolução nos últimos anos. São novas maneiras de construir, visitar imóveis, fechar contratos, organizar a papelada e a burocracia que vêm transformando para melhor a experiência do cliente e dos profissionais envolvidos.

Comprar um imóvel nunca esteve tão fácil. Se antes este processo parecia uma peregrinação sem fim entre imobiliárias, bancos e cartórios, hoje a realidade é completamente diferente, a começar pela pesquisa.

Num movimento que ficou ainda mais forte depois do começo da pandemia em 2020 e a necessidade das pessoas se adaptarem a um novo normal , com poucas saídas de casa, aquela época de visitas constantes em imóveis ficou para trás.

Hoje, o cliente já fica sabendo de quase tudo em poucos segundos. Isso porque, com a chegada de plataformas como a 1M2 , todas as informações relativas ao terreno, casa ou apartamento estão disponíveis a apenas um clique de distância. É possível ler o descritivo do empreendimento, ver as fotos da unidade e até fazer um tour virtual pelo loteamento ou condomínio.Este tour virtual é normalmente feito por vídeos, com filmagens feitas por profissionais, que utilizam até drones na captura. Quando o empreendimento ainda não está pronto, é possível fazer o tour por meio das perspectivas detalhadamente criadas pelas construtoras e urbanizadoras. A tecnologia usada por traz destas perspectivas é tão sofisticada que, muitas vezes, o cliente prefere conferir a animação a visitar pessoalmente o local.

Este tour virtual é normalmente feito por vídeos, com filmagens feitas por profissionais, que utilizam até drones na captura. Quando o empreendimento ainda não está pronto, é possível fazer o tour por meio das perspectivas detalhadamente criadas pelas construtoras e urbanizadoras. A tecnologia usada por traz destas perspectivas é tão sofisticada que, muitas vezes, o cliente prefere conferir a animação a visitar pessoalmente o local.

Se tudo estiver de acordo, é hora de fazer a compra. Ou melhor, a simulação de compra. Na própria plataforma, é possível simular o valor e quantidade de parcelas, assim como possíveis taxas e impostos relacionados à aquisição do imóvel, sem surpresas.

“Do lado do cliente, os canais digitais oferecem diversas ferramentas que facilitam a vida no momento em que se está procurando por um terreno, como opções de metragem, tipo de produto: econômico, médio ou alto, opções de condomínio ou bairro aberto, itens de lazer e segurança. Todas essas ferramentas também beneficiam o corretor, que recebe clientes mais qualificados”, diz Rodrigo Maia, gerente de marketing da 1M2.

Um novo jeito de morar

Não é só a parte de comercialização que sofreu transformações com a chegada da pandemia. Hoje, muitos movimentos que já vinham aparecendo antes de 2020 se tornaram realidades consolidadas

Para começar, a importância do home office e do teletrabalho. Antes restrito a apenas aquelas empresas mais modernas, estas modalidades de trabalho se tornaram praticamente padrão. As casas viraram escritórios e nada faz acreditar que esta realidade irá mudar tão cedo.

Talvez por isso, muitos empreendimentos residenciais estão apostando em outra tendência: a retomada dos coworkings. Indicados para quem não gosta ou não pode trabalhar em casa, estes escritórios compartilhados estão começando a aparecer em diversos condomínios e loteamentos. As vantagens são claras. Além do ambiente estritamente profissional, sem distrações, estar num escritório perto de casa faz toda a diferença

Pela mesma razão, ganham cada vez mais popularidades os estabelecimentos comerciais e de conveniência dentro dos loteamentos. Hoje, em muitos lugares, os moradores já contam com uma estrutura onde tenha padarias, mercados, salões de beleza, lavanderia entre outros.

Tudo isso num ambiente monitorado, com todas as ferramentas de segurança e – o melhor de tudo – próximo a áreas verdes e à natureza, possibilitando que boa parte do dia seja curtida ao ar livre.

Saudabilidade, o novo conceito

O mundo pós-covid nos apresenta novos conceitos de moradia e novos procedimentos começarão a fazer parte da rotina das pessoas em qualquer ambiente. Durante os últimos anos, por exemplo, a sustentabilidade foi a palavra da vez. Qualquer frente de negócio, inclusive os empreendimentos imobiliários, precisaram seguir normas de sério respeito ao meio ambiente. A partir de 2020 e 2021, no entanto, não basta ser sustentável. Também é preciso ser saudável.

A ‘saudabilidade’ surge como uma outra revolução, incorporando a essência deste novo normal. Considerando a maior crise de saúde deste século, diversos protocolos passam a ser adotados em todos os lugares. Os ambientes comuns dos condomínios e loteamentos, por exemplo, precisam passar por constante higienização, além de permitir que haja distanciamento suficiente entre as pessoas que frequentam o local, caso elas não estejam juntas.

A partir de agora, será muito comum ver na descrição de imóveis este tipo de iniciativa, e também diferentes modos de gestão, como sistema de agendamento para garantir uma lotação máxima em cada local.

Há, ao mesmo tempo, diversas outras iniciativas que vem ganhando o gosto de quem procura um imóvel, como destaca Ana Rita, gerente nacional de vendas da 1M2:

“Uma das tendências que destaco é a neuroarquitetura; conceito que une neurociência, psicologia e arquitetura norteando projetar espaços de descompressão, acolhimento e conexão. Ambientes com mais luz e ventilação natural, pedras, cristais, flores e muito verde fazem parte deste novo modelo de pensar na construção de casas e escritórios. Além disso, o mercado de loteamentos vem apresentando produtos ao mercado contemplando energia fotovoltaica, espaços de coworking, salas de pilates, espaço zen, segurança com reconhecimento facial. E são estes diferenciais que farão a cabeça do consumidor que pretende adquirir mais do que piscina e churrasqueira dentro do condomínio.”

Migração para o interior

Talvez um dos movimentos mais claros durante a pandemia, que inclusive contou com a adesão de grandes empresas, foi a migração de moradores dos grandes centros urbanos para cidades do interior , onde é possível encontrar imóveis em loteamentos com mais espaço e com menor valor de metro quadrado.

Este movimento é feito por pessoas que querem não só morar num ambiente mais tranquilo, seguro e com qualidade de vida, mas também por quem quer ter a possibilidade de fugir de um grande centro num feriado ou no fim de semana.

Os imóveis mais afastados passaram a ser procurados para primeira e segunda moradia. É uma possibilidade de mudar de ambiente e, assim, manter a saúde psicológica. Sem as opções de lazer que eram comuns na cidade até pouco tempo atrás, curtir a natureza sem sair de casa se tornou um privilégio que todos querem ter.

No interior, como não poderia deixar de ser, há uma grande variedade de empreendimentos que possuem todas as qualidades buscadas pelas famílias, como segurança e tranquilidade.

Como encontrar emprego on-line durante a pandemia? Google dá dicas

Encontrar um trabalho ou se recolocar no mercado nunca foi tarefa simples, mas diante de uma conjuntura impactada pela crise sanitária de uma pandemia, o desafio é ainda maior. No trimestre encerrado em janeiro deste ano, o Brasil registrou a maior taxa de desocupação desde 2012, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com 14,3 milhões de pessoas desempregadas.

Para ajudar quem busca encontrar emprego ou quer mudar de carreira, às vésperas do Dia do Trabalho, o Google lança uma nova etapa do seu programa de treinamento gratuito Cresça com o Google. O ” Jornada de Carreiras ” reúne conteúdos exclusivos produzidos por especialistas de recrutamento do Google e inclui dicas e boas práticas para quem busca iniciar ou desenvolver sua carreira.

O treinamento é aberto e composto por dicas valiosas de como montar um currículo de modo adequado, se preparar para obter um bom desempenho nas entrevistas e a importância da autoconfiança como motor para melhores resultados.

Confira a seguir cinco dicas das especialistas que irão te ajudar a se destacar nas futuras oportunidades de mercado. E não deixe de se inscrever na Jornada de Carreiras Cresça com o Google.

• Ferramentas de busca de emprego

Por meio da Busca do Google, é possível pesquisar vagas e filtrá-las para encontrar exatamente o que está disponível por profissão ou área de atuação. Na barra de busca, procure por área de formação ou, se preferir, pesquise pela localização e aplique os filtros de “Categorias”. É possível também filtrar resultados para oportunidades que permitem trabalhar de casa, basta selecionar “Trabalho de casa” e pronto. Ao encontrar uma vaga que tenha a ver com seu perfil, basta clicar em Salvar e ela fica guardada em “Salvas”. E, ainda, para não perder novas oportunidades é possível habilitar a opção de alertas e receber uma notificação por e-mail quando novas vagas forem abertas.

• Prepare um currículo que mostre os seus diferenciais

A depender da vaga e das qualificações mínimas que ela exige, um recrutador pode receber milhares de currículos para ocupar uma posição. O que fazer então para se destacar, ser notado e aproveitar todas as oportunidades que surgirem? Para começar, não use o mesmo currículo para todos os processos. Cada empresa tem um perfil diferente, por isso uma boa dica é estudar a empresa ou organização para a qual for aplicar e ter currículos adaptados para cada vaga. Mas não se esqueça: seu currículo deve refletir quem você é, suas qualidades e diferenciais. Ser honesto, claro, objetivo e organizado ajuda, e muito. Ninguém é perfeito, todos estamos nos aprimorando enquanto profissionais o tempo todo. Assim, busque demonstrar seu desenvolvimento indicando aprendizados. Por fim, busque não ultrapassar uma página – seu recrutador agradece, e as suas chances aumentam.

“Quando você prepara o currículo, ele tem que estar de acordo com a vaga ou com a empresa que pretende enviar. Essa criação do currículo é geralmente informativa, ou seja, ele vai contar aos recrutadores sobre quem é você. É importante que essa história esteja de acordo com o perfil da empresa, e tenha os dados que a vaga pede”, diz Lia Romano, coordenadora de Programas de Estágios no Google.

• A entrevista é à distância, mas o preparo segue sendo fundamental

Nas entrevistas à distância, o cuidado precisa ser redobrado. Tenha em mente que questões como respeito ao horário das entrevistas agendadas seguem sendo importantes. Ao menos durante a entrevista, busque um ambiente sem muito ruído e distrações, de modo que a conversa seja agradável para as duas partes, e a atenção dos entrevistadores possa se voltar totalmente ao que mais interessa: você.

Estabeleça um diálogo mais interativo, participando ativamente da conversa. Além de responder às perguntas dos entrevistadores, se houver oportunidade, assuma o protagonismo na entrevista e fale proativamente algo sobre si ou faça perguntas relevantes. Mas lembre-se de estabelecer uma comunicação tranquila, objetiva e clara, respeitando o momento de fala da outra pessoa.

“A entrevista é o momento em que você poderá mostrar quem é, explicar suas experiências, exemplificar os objetivos, fazer perguntas, e conhecer também um pouco mais da vaga para a qual aplicou. A empresa poderá te conhecer melhor e por isso a preparação é tão importante. Deixar tudo de improviso, pode ser muito ineficiente. Então, se você se organizar bem, suas respostas e ideias serão muito mais estratégicas. É essencial, por exemplo, documentar tudo o que pesquisar para a entrevista, incluindo informações sobre a empresa, e listar suas competências, previamente, justificando cada uma e as exemplificando com experiências profissionais ou acadêmicas anteriores”, diz Lia Romano, Coordenadora de Programas de Estágios no Google.

• Garanta que a sua pessoa pública na Internet reflete o seu perfil profissional

Nada adianta ter um currículo incrível se isso não corresponder com a realidade, é importante trazer vivências que exemplificam suas realizações. Seja verdadeiro: o currículo deve ser um reflexo das suas habilidades, experiências e aspirações. A entrevista é o momento de contar sua história, apresentar sua personalidade e articular ideias. Mas, além de tudo isso, uma dica importante é se colocar no lugar do recrutador e pesquisar mais sobre você mesmo na Internet. O que você encontrou, reflete o profissional que você é? Seu perfil público em redes sociais e plataformas de emprego estão atualizadas e coerentes com seu currículo?

• Sentir-se confiante ajuda e transparece

A autoconfiança é fundamental em todo e qualquer processo seletivo ao longo da vida. Como um músculo, essa é uma habilidade que precisa ser trabalhada e aprimorada. “Auto-conhecimento é importantíssimo na manutenção da confiança própria. Entender que todo mundo pode se sentir inseguro e saber reconhecer a sua fonte de insegurança, te ajudará a pensar em ferramentas para solucionar qualquer medo ou frustração.”, diz Karen Novaes, especialista de recrutamento do Google Brasil.

Antes de se lançar em uma entrevista de emprego, tenha claro qual é a sua narrativa profissional: pense na sua trajetória profissional como uma história, com altos e baixos, acertos, erros e, mais importante, o que aprendeu com eles. Faça a “lição de casa”: pesquise tudo o que puder sobre a empresa e a vaga para a qual está aplicando. Elabore uma lista de perguntas e respostas, incluindo questões como, por exemplo, “Como você se encaixa no perfil da nossa empresa?” ou “Quais habilidades e/ou competências você possui que fariam sentido para esta vaga?”.

Autoconfiança, ou a falta dela, pode ser algo especialmente crítico para grupos de pessoas que sistematicamente tiveram sua auto-estima prejudicada. Luana Nazareth, especialista em recrutamento e co-autora do módulo “Carreiras pretas importam” no Jornada de Carreira Cresça com o Google, dá o recado: “O seu profissionalismo não está na textura do seu cabelo, na roupa que usa. Por isso, não se apague para se adaptar a um sistema perverso. Somos agentes de mudança, e o seu foco deve ser estar preparado para ver que as suas qualidades são oportunidades, e não barreiras. Como diz Grada Kilomba, ‘Eu quero a liberdade humana de ser eu’. Sejam vocês, mostrem seus potenciais. É isso que esperamos dos candidatos e candidatas em processos seletivos.”

Estudo mostra que 80% dos brasileiros priorizam preço ao invés de qualidade no momento da compra

Dados da dunnhumby sobre hábitos do consumidor apontam que, após um ano de pandemia, as pessoas sentem que estão gastando mais com comida do que qualquer outro país

De acordo com o estudo recente promovido pela dunnhumby, empresa global líder em ciência de dados do consumidor, o preço se tornou um dos principais fatores decisivos para os brasileiros no momento de compra – 80% dos consumidores priorizam o preço, ao passo que 21% colocam a qualidade em primeiro lugar. Se compararmos esse número com o levantamento realizado em maio do ano passado, onde 34% dos brasileiros afirmaram optar por produtos mais baratos, podemos ver um aumento de quase 50 pontos percentuais em menos de um ano.

A análise ainda mostra que 47% dos entrevistados compara os preços em diferentes lojas antes de efetuar a compra. Isso é um reflexo da percepção de que os brasileiros estão gastando mais com comida agora do que em qualquer outro país: 76% da população acredita que os preços dos alimentos subiram, enquanto na pesquisa realizada em março do ano passado 50% afirmou ter visto aumento nos preços durante a pandemia.

A baixa confiança na economia do país e/ou no estado das finanças pessoais, com ¾ da população preocupada com ambos fatores, também reflete na maior comparação dos preços e na priorização do valor dos produtos frente à qualidade.

Como outra forma de cortar gastos e ter mais praticidade no dia a dia, as pessoas estão comendo mais em casa do que em restaurantes e/ou deliverys. Na última pesquisa realizada pela dunnhumby em novembro de 2020, 40% dos entrevistados afirmaram estar cozinhando mais; já em fevereiro deste ano, a porcentagem subiu para 46%.

Para atender essa nova preferência do consumidor, a dunnhumby apoia os varejistas no uso da Inteligência Artificial para criar programas de promoções personalizados, que permitem às lojas entregarem as ofertas mais relevantes para cada tipo de cliente. Outro ponto considerado essencial para melhorar a performance dessas empresas é investir na produção e divulgação de marcas próprias, que costumam ter um custo menor para o público final.

A dunnhumby, que analisa dados de mais de 1 bilhão de shoppers ao redor do mundo, procurou entender os hábitos dos consumidores durante a COVID-19 no mundo e seus impactos no varejo após um ano de pandemia. A pesquisa, que já está na sexta onda e compreende o período de 18 a 24 de fevereiro, envolveu 22 países e ouviu homens e mulheres que são os principais tomadores de decisões de compra em seus domicílios.

O estudo abordou diversos tópicos que interferem no comportamento de compra dos consumidores no mundo todo, confira os outros dados levantados:

• Crescimento do e-commerce

Os brasileiros estão mais satisfeitos com a experiência das compras online. O nível de satisfação do consumidor passou de 30% em março de 2020 para 36% em fevereiro deste ano.

A tendência das compras online se consolidou no Brasil, o que coloca o país em quinto lugar no mundo, atrás apenas de países asiáticos: Coréia, China, Tailândia e Malásia, onde o e-commerce já estava bem desenvolvido antes mesmo da pandemia. 33% dos brasileiros já fazem suas compras online.

Mesmo com o aumento no índice de satisfação com o e-commerce e com o avanço da pandemia no Brasil, os consumidores não têm a intenção de trocar o modelo de compras presencial pelo virtual, visto que a frequência de visitas as lojas físicas se mantém na média de duas vezes por semana, a mesma do ano passado. Além disso, as pessoas têm se sentido mais confortáveis ao irem às compras. Em março de 2020, 73% da população alegou que não se sentia segura ao frequentar lojas e supermercados, já em fevereiro deste ano o número caiu para 50%.

• Nível de preocupação cai durante o pico da pandemia

A preocupação dos brasileiros teve uma queda de seis pontos percentuais durante o pior momento da pandemia no país. Em março do ano passado, 49% dos consumidores brasileiros afirmaram estar preocupados com os impactos da COVID – 19; já nesta sexta onda do estudo o número diminuiu para 43% apesar de o Brasil ser o segundo país mais preocupado, atrás apenas da Coreia.

Outros fatores que apontam para uma menor preocupação da população são: o aumento da frequência de visitas às lojas físicas e a diminuição de apoio às medidas preventivas recomendadas pelo governo, como o fechamento de bares e restaurantes que no início da pandemia era aprovada por 72% dos brasileiros, enquanto neste ano apenas 47% dos consumidores estão de acordo com esse tipo de determinação.

• Satisfação com os varejistas e o governo

Na última onda do estudo, realizado em novembro de 2020, a aprovação dos consumidores com a experiência nas lojas físicas foi de 45%; já na pesquisa referente a fevereiro deste ano, 51% dos brasileiros consideraram que os estabelecimentos estão fazendo um bom trabalho na pandemia. Na comparação com março do ano passado, a avaliação se manteve estável (52%).

Na análise mundial, o Brasil é o nono país com o maior nível de satisfação da população referente ao trabalho que as lojas desempenham frente ao cenário de pandemia (51%).

Por outro lado, a satisfação com o governo é cada vez menor. O nível de aprovação passou de 38% em março de 2020 para 17% em fevereiro deste ano. Já com relação às farmácias, 39% dos consumidores avaliaram que estes estabelecimentos estão fazendo um bom trabalho, enquanto em novembro esse número ficou em 34%.

• Saúde e bem estar

Em meio a pandemia, as pessoas estão passando a ter hábitos mais saudáveis e isso inclui tanto a prática de atividades físicas, quanto o maior consumo de alimentos saudáveis, que atingiu 51% dos consumidores brasileiros em fevereiro deste ano sendo, em sua maioria, pessoas que demonstram maior preocupação com a situação atual do país (60%).

Vale ressaltar que a busca por produtos orgânicos não tem apresentado crescimento, isso porque os brasileiros estão buscando uma alimentação mais balanceada, mas não necessariamente orgânica.

* Período da pesquisa

Primeira onda: 29 de março -1º de abril | Segunda onda: 11 de abril – 14 de abril |Terceira onda: 27
de maio – 31 de maio | Quarta onda: 27 a 31 de setembro | Quinta onda: 20 a 25 de novembro | Sexta onda: 18 a 24 de fevereiro

Brasil foi o segundo país que mais Tweetou durante a cerimônia do Oscar 2021

Os fãs de cinema movimentaram o Twitter globalmente com milhões de comentários sobre a cerimônia do Oscar 2021 ( @TheAcademy ), realizada na noite deste domingo (25). O Brasil foi o segundo país que mais Tweetou sobre o evento durante a sua transmissão, ficando atrás apenas dos EUA. As conversas dos brasileiros giraram em torno das celebridades, indicados e grandes vencedores do prêmio.

Entre os artistas mais comentados em conversas sobre o evento, o destaque foi para Yuh-Jung Youn. A sul-coreana, que interpretou Soonja em “Minari”, levou o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante e foi a mais mencionada na plataforma no Brasil entre 0h de domingo e a manhã desta segunda-feira. A segunda colocação entre os mais citados ficou para Daniel Kaluuya, que levou o Oscar de “Melhor Ator Coadjuvante” por seu trabalho em “Judas e o Messias Negro”. Chadwick Boseman ( @chadwickboseman ), que faleceu no ano passado e concorreu ao prêmio de Melhor Ator por “A Voz Suprema do Blues”, também foi um dos destaques no Twitter.

Veja abaixo os 10 artistas mais comentados no Twitter no Brasil em entre a meia noite de domingo e a manhã desta segunda-feira:

1. Yuh-Jung Youn
2. Daniel Kaluuya
3. Chloé Zhao
4. Chadwick Boseman (@chadwickboseman)
5. Anthony Hopkins (@AnthonyHopkins)
6. Zendaya (@Zendaya)
7. Glenn Close
8. Viola Davis (@violadavis)
9. Regina King (@ReginaKing)
10. Frances McDormand

“Nomadland” foi o grande vencedor do #Oscars e também um dos principais destaques na plataforma. O longa, que ficou com o prêmio de “Melhor Filme”, foi o mais citado no Twitter no Brasil. Veja quais foram os filmes mais mencionados na plataforma no mesmo período:

1. Nomadland (@nomadlandfilm)
2. Judas e o messias negro (@JATBMFilm)
3. Bela vingança (@PromisingFilm)
4. Meu pai
5. Professor Polvo
6. Soul (@PixarSoul)
7. O som do silêncio
8. Minari (@MinariMovie)
9. Mank (@MankFilm)
10. A Voz Suprema do Blues (@MaRaineyFilm) 


Confira mais detalhes sobre o que rolou no #Oscars na página especial criada exclusivamente para a cerimônia.

Pesquisa Magnite: 91% dos espectadores de TV na América Latina assistem conteúdos de streaming semanalmente

A Magnite, maior plataforma independente sell-side de publicidade omnichannel do mundo, divulga os resultados da pesquisa ‘CTV na América Latina: O Futuro Adiante’. O estudo que ouviu mais de 4 mil consumidores nos maiores mercados da região – Brasil, Argentina e México -, identifica como a audiência está consumindo TV e explora as oportunidades para profissionais de marketing que buscam se conectar com audiências engajadas, conforme a mudança para a TV Conectada (CTV, da sigla em inglês) acelera e o comportamento dos consumidores evolui.

CTV rivaliza com o alcance da TV aberta – Os resultados do estudo mostram adoção generalizada de plataformas de streaming acessadas por meio de CTVs no Brasil, na Argentina e no México. Nos três mercados, 91% dos entrevistados disseram que utilizam o streaming por meio da TV semanalmente. O México lidera, com mais de nove em cada dez (92%) pessoas relatando o uso de um serviço do tipo, pelo menos, uma vez na semana. Os brasileiros ficaram perto no consumo de streaming semanal (91%), seguidos pelos argentinos (81%).

Demonstrando a preferência dos consumidores por streaming, 85% dos telespectadores disseram que preferem o streaming à TV aberta e 80% optariam pelo streaming se tivessem de escolher. Nos três países, os entrevistados passaram a maior parte do seu tempo assistindo conteúdos via streaming em detrimento da TV tradicional. Os entrevistados do México disseram que 65% do tempo dispensado à TV eram gastos em streaming. Já os entrevistados brasileiros e argentinos relataram 63% e 58%, respectivamente.

“Embora a publicidade em TVs conectadas ainda esteja em seus estágios iniciais na América Latina, as descobertas de nosso estudo sugerem que há grandes oportunidades a serem reveladas neste novo formato”, afirma Rafael Pallarés, diretor geral para LATAM da Magnite. “A clara preferência por streaming em vez de TV aberta, juntamente com a receptividade dos consumidores em relação a modelos com anúncios, deve sinalizar a confiança no crescimento futuro da CTV com suporte de receitas publicitárias beneficiando tanto os serviços de streaming quanto os anunciantes”, ressalta Pallarés.

Público de streaming é mais engajado e aberto à publicidade – Os espectadores de conteúdo por streaming estão muito mais atentos à programação do que quando assistem programas de TV aberta, levando a um maior envolvimento com a publicidade. Segundo a pesquisa, 79% dos entrevistados declararam ser receptivos à publicidade na TV Conectada (CTV) e estar dispostos a assistir a anúncios em troca de programação gratuita ou a custo reduzido. Os respondentes também gostam de descobrir produtos novos a partir de anúncios nessas plataformas e vão considerar anúncios de marcas ou produtos em seus programas favoritos, com 52% realizando uma ação, como pesquisar online ou comprar o item anunciado, após a exposição.

As principais descobertas adicionais do estudo:

• Em todos os três países, o valor que as pessoas estão dispostas a pagar por conteúdo em streaming na TV é ainda maior do que o pago atualmente, indicando espaço para serviços adicionais. Na Argentina, o consumidor médio paga US﹩ 6 por mês, enquanto o valor máximo que está disposto a gastar é US﹩ 10. No Brasil, o valor médio pago é de US﹩ 15 por mês e o máximo é de US﹩ 20; e no México os consumidores gastam, em média, US﹩ 18 por mês, mas estão dispostos a despender até US﹩ 26. A maioria (71%) dos consumidores afirmou que pretende assinar outro serviço.

• Embora os consumidores latino-americanos ainda não tenham atingido seus limites para as assinaturas, eles ainda desejam maximizar o acesso a conteúdos via streaming dentro de seu orçamento. A maioria dos entrevistados (74%) prefere assistir a conteúdos com publicidade, desde que sejam gratuitos ou com custo reduzido; e 83% desejam mais serviços de streaming de vídeo gratuitos.

• Entre aqueles que preferem ver conteúdos produzidos internacionalmente, 80% gostariam de aprender sobre diferentes culturas e 62% querem aprimorar suas habilidades em línguas estrangeiras. Em toda a região, o conteúdo internacional é assistido mais do que o produzido localmente, mas 60% dos participantes da pesquisa gostariam de mais conteúdo produzido em sua região.

Metodologia – O estudo ‘CTV na América Latina: O Futuro Adiante’, da Magnite, foi realizado em janeiro de 2021 pela Harris Interactive, por meio de uma pesquisa online. O objetivo foi revelar insights a respeito do assunto nos três grandes mercados da América Latina. A amostra contou com aproximadamente 4 mil consumidores localizados no Brasil (1.648), Argentina (1.125) e México (1.276), com idade entre 18 e 64 anos e acesso regular à internet.

WarnerMedia traz Daniel Ribeiro para time de Performance Marketing Latam

A WarnerMedia anuncia a chegada de Daniel Ribeiro como Diretor de Performance Marketing Latam, nova posição que atua lado a lado com as unidades de marketing da companhia em toda a América Latina. Daniel lidera o time responsável por cuidar do planejamento e compra de mídia para a empresa na região. É sua missão gerir um modelo de desempenho que maximize os resultados de aquisição de mídia para todos os canais da marca.

O executivo traz para a WarnerMedia uma bagagem profissional de duas décadas de atuação no mercado publicitário, com passagens por grandes agências como Loducca e AlmapBBDO. “Sem dúvida, é um imenso desafio, algo bem diferente de tudo que já fiz. Me sinto muito grato em abrir novas perspectivas e fazer parte dessa grande movimentação da WarnerMedia. Nosso foco é na construção de uma visão One Warner como anunciante, tanto no planejamento como no investimento de mídia”, diz Daniel.

Marcela Doria, Vice-Presidente de Data & Insights e Performance Marketing da WarnerMedia Latin America, destaca a importância da chegada de Daniel e sua atuação na gestão conjunta do inventário das marcas na região. “Estamos muito felizes em receber um profissional como Daniel em nosso time. Ele nos ajudará a construir essa nova abordagem, que proporcionará uma visão única e integrada do investimento total em marketing”, afirma Marcela.