Tag streaming

Pesquisa aponta Amazon Prime como o streaming que mais cresce na pandemia

Desde o início da pandemia, com grande parte da população tendo que ficar em casa, houve um aumento de pessoas assistindo televisão. Como resultado, as plataformas de streaming foram a alternativa para uma nova forma de entretenimento dentro de casa. Segundo pesquisa realizada pela NZN Intelligence, 51% das pessoas buscaram por essas assinaturas por conta do valor e 33% em busca por entretenimento.

Com mais tempo em casa, fomos desafiados a descobrir novas formas de distração e passatempo, sendo o principal motivo para 30% das pessoas assinarem algum serviço de TV a cabo, jornal online, revistas ou games (Xbox Game Pass, PSN Plus e similares). Entre aqueles não contrataram serviços, 25% apontaram o valor como o principal impeditivo.

Com o streaming em alta, a Amazon Prime Video foi a plataforma que liderou o ranking de contratação de serviços de streaming durante a pandemia, com 30% da preferência do público, seguido da Netflix, com 24%, Globoplay com 7%, Telecine e HBO com 4%. Entre as pessoas que não contrataram um serviço de streaming, 57% afirmaram que já são clientes de alguma das opções.

“O isolamento social transformou as plataformas de streaming em uma das principais formas de entretenimento das pessoas confinadas em casa, que passaram a ficar mais tempo assistindo televisão. As vantagens dessas plataformas, como a Amazon, Netflix etc, é que com tantas variedades, opções e formatos, conseguem agradar e disponibilizar conteúdos para diferentes gêneros e gostos, tornando possível agradar a todos os públicos”, conta Tayara Simões, diretora de marketing e sales da NZN.

Ainda segundo a pesquisa, um dos fatores que levou em consideração na hora de contratar um destes serviços foi o preço, 54% afirmaram que contrataram as plataformas por conta do valor, 46% pela variedade do catálogo e 16% por recomendações de conhecidos.

A fim de compreender o que muda nos hábitos de consumo dos brasileiros conforme os segmentos da economia e entender o que já virou tendência em suas rotinas, a NZN desenvolveu um hub de dados para marcas e anunciantes acompanharem os principais números ligados a mudança de hábito dos brasileiros em seus setores. Também é possível que a marca faça levantamentos personalizados com o tema de interesse.

Tayara conta que a motivação para a construção do Hub Intelligence partiu do objetivo da empresa de trazer dados e informações relevantes para que marcas tenham ainda mais insumos para direcionar seus esforços de comunicação digital e suas campanhas.

Para ter acesso aos levantamentos e solicitiar um estudo personalizado, acesse: http://artigos.nzn.io/habitos-de-compra-na-pandemia

Gilberto Campos - Mundo Digital

Tags, , , ,

Com startup Vibra, Grupo Bandeirantes chega ao mercado de e-commerce e lança serviço de streaming

Fundada como uma startup de inovação do Grupo Bandeirantes de Comunicação, a Vibra foca em inteligência e solução de negócios a partir de dados, posicionando-se como um ecossistema de resultados para a geração de novos modelos no âmbito digital.

Em apenas nove meses de atuação no mercado, a Vibra estruturou o Data Lake do Grupo, e assumiu a gestão de canais digitais de grandes influencers, como o comentarista Denílson e os apresentadores Neto, Henrique Fogaça e José Luiz Datena. Além disso, foram abertas novas frentes junto a grandes plataformas como Facebook e Google, por meio de projetos inéditos de conteúdo e tecnologia.

Gerida por um grupo de profissionais de notória experiência neste mercado, a empresa é liderada por André Luiz Costa, que já ocupou a posição de diretor de jornalismo da TV Band e também conduziu a estruturação e implementação da BandNews FM, antes de assumir o posto de General Manager da startup .

A Vibra acaba de modernizar o novo portal do Grupo Band, que já está no ar, e agora trabalha na finalização de alguns novos produtos, como o marketplace chamado Na Prateleira ( naprateleira.com.br); o Band Play, um ‘super app’ onde serão encontrados os conteúdos de todo o Grupo Bandeirantes; um programa de fidelidade com prêmios a partir da interação dos usuários e uma carteira digital; hubs de diversos conteúdos, pautados pelo conhecimento que os dados trouxeram da audiência como o Band Receitas, um site de gastronomia, onde os usuários poderão interagir e cozinhar com a ajuda de um Chatbot, por exemplo.

“A ideia da Vibra surgiu do próprio crescimento do consumo de conteúdos audiovisuais digitais e da demanda das marcas e do mercado em geral por estratégias mais sólidas. Apesar de integrarmos o Grupo Bandeirantes, nascemos com total autonomia e uma cultura própria, além do desafio de levar esta nossa expertise para todo mercado e não só para os projetos do Grupo”, comenta André Luiz Costa, GM da Vibra.

Durante o início do isolamento social por conta da Covid-19, a startup cresceu e o processo de desenvolvimento de seus serviços foi acelerado. Com isso, o time de profissionais da empresa triplicou desde o início do ano, “estruturamos o time com o desafio de construir uma nova cultura que vem se mostrando muito eficiente no modelo remoto durante a pandemia, colocando de pé diversos projetos complexos, interligados entre si e entre os veículos do grupo”, finaliza Costa.

Tags, , ,

Do rádio ao streaming: estudo da Kantar IBOPE Media mostra tendências no meio

A nova edição do Inside Radio, estudo da Kantar IBOPE Media que traça o perfil do consumidor de rádio no Brasil, traz dados que demonstram as tendências para o áudio no país: 9% dos entrevistados ouvem rádio online e 16% acessam o meio quando estão navegando na internet. A análise identificou, também, as principais mudanças durante o período de isolamento social. 46% dos ouvintes de rádio entrevistados ouviram serviços de streaming de áudio durante a pandemia e 25% aumentaram esse consumo.

Os podcasts, formato muito utilizado entre as rádios para alcançar os ouvintes sob demanda, conquistaram 24% dos ouvintes durante o perído de distanciamento social, desses 7% ouviram podcast pela primeira vez e 10% aumentaram o consumo durante a pandemia. Nesse período, as lives ganharam escala e inundaram as redes, 75% dos entrevistados afirmaram terem começado a assistir lives de shows musicais a partir do início da quarentena. Deste público, mais da metade, 57%, são mulheres e 69% são millenials e geração X. As lives se revelaram uma grande oportunidade para as marcas. As pessoas se mostraram abertas para novas experiências de publicidade, 41% afirmaram que pagariam para assistir uma live e 82% se recordam das marcas anunciantes das lives que viram. Confira a íntegra do INSIDE Radio 2020 no site da Kantar IBOPE Media.

Gilberto Campos - Mundo Digital

Tags, , , ,