Author admin

Spotify divulga a lista dos mais ouvidos do ano

O final do ano se aproxima e você já consegue sentir o cheirinho da Retrospectiva do Spotify? É isso mesmo, o momento mais aguardado do ano, chegou! Assim como já é de costume, o Spotify preparou uma retrospectiva com as músicas, artistas, álbuns e podcasts mais ouvidos de 2020, não só do Brasil, mas de todo o mundo. Um compilado com todos os favoritos do ano em matéria de áudio. Algum palpite? Bora conferir os queridinhos do ano!

O destaque de 2020 vai para a Esquenta Sertanejo, maior playlist do Spotify no Brasil, que conquistou o seu lugar no Top 10 das playlists mais ouvidas do mundo! Contando atualmente com mais de 5 milhões de seguidores, ela existe desde a chegada do Spotify no Brasil, em 2014, e conta com os maiores sucessos da música sertaneja.

Quando o assunto é os artistas mais ouvidos do ano, vou ser sincero com você, Marília, nós até entendemos que não adianta pôr graveto numa fogueira que não pega mais, mas ainda assim precisamos ouvir seu conselho muitas milhões de vezes no Spotify. No topo dos 10 artistas do ano no Spotify, a rainha da sofrência é a mais ouvida na plataforma. Mas, calma! Ela não foi a única que nos fez sofrer esse ano. Henrique & Juliano, Gusttavo Lima, Zé Neto e Cristiano, Jorge & Mateus e Maiara e Maraisa também garantiram seu lugar no ranking. A lista dos artistas mais ouvidos do ano contou ainda com o funk, muito bem representado pela cantora Anitta e a batida do DJ Alok.

Mas, e a música mais ouvida de 2020? “Liberdade Provisória”, da dupla Henrique & Juliano. O hit garantiu aos irmãos o topo do ranking. O segundo lugar ficou com “A Gente Fez Amor – Ao Vivo”, sucesso na voz do embaixador Gusttavo Lima, seguido na terceira posição pelo hit “Graveto – Ao Vivo”, interpretado pela rainha da sofrência, Marília Mendonça. Quem também deu o ar da graça foi Dua Lipa. A cantora britânica que fez história no Brasil, conquistou o 9º lugar da lista com seu “Don’t Start Now” – “tamborzinho, tamborzinho”!

Será que com essas informações já dá pra se ter uma ideia de quais foram os álbuns mais escutados do ano? Pode se dizer que sim! A primeira posição deste ranking ficou com “O Embaixador in Cariri (Ao Vivo)”, de Gusttavo Lima. O segundo lugar ficou com “Por Mais Beijos Ao Vivo (ao Vivo)”, da dupla Zé Neto & Cristiano, e o terceiro com “10 Anos Na Praia”, dos irmãos Matheus & Kauan. Ainda nesse quesito, vale destacar a revelação do ano, Os Barões da Pisadinha, que chegaram com tudo! Eles não só conquistaram o seu espaço no ranking dos artistas mais ouvidos do ano, como também, emplacaram dois dos seus principais álbuns – “Agora Eu Pego Mesmo” e “Batom de Ouro”, na sexta e sétima posições, respectivamente. E teve ainda Orochi fechando a lista com chave de ouro. A revelação do hip-hop/rap, ficou com a 10ª posição.

Oferecendo entretenimento e informação, em 2020, os podcasts reforçaram seu grande potencial de crescimento no mercado brasieliro. A podosfera nacional foi impactada por uma avalanche de criadores de conteúdo, apresentadores, atores e jornalistas do mais alto padrão, que contribuíram para que nos tornássemos o segundo maior mercado consumidor do formato, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. A primeira posição da lista dos podcasts mais ouvidos no Brasil em 2020 foi conquistada pelo “Horóscopo Hoje”, um programa original do Spotify que, diariamente, disponibiliza a previsão de cada signo do zodíaco. O segundo lugar coube ao “Café da Manhã”, noticiário que traz informações sobre o Brasil e o mundo, de forma simples e objetiva. O terceiro lugar da lista foi do “Primocast”, especializado em dicas sobre investimentos, finanças e empreendedorismo, seguido pelo “NerdCast”, que aborda todos os assuntos preferidos do mundo nerd.

Os mais ouvidos de 2020 no mundo

Em um ano marcado por tantas surpresas, você deve estar se perguntando: E fora do Brasil, quem foi que se destacou? Nós te contamos! No ranking global, com mais de 8,3 bilhões de streams, quem assumiu o primeiro lugar de artista mais ouvido de 2020 foi o rapper porto-riquenho Bad Bunny (confira a reação dele ao saber da notícia), seguido por Drake J Balvin, pelo falecido rapper Juice WRLD The Weeknd.

Confira mais curiosidades sobre o ranking de músicas globais e o consumo de podcasts no mundo:

• Billie Eilish continua seu reinado como a artista feminina mais transmitida do Spotify pelo segundo ano consecutivo, e seu álbum WHEN WE ALL FALL ASLEEP WHERE DO WE GO entrou na lista dos 10 álbuns mais transmitidos pelo segundo ano;

• Taylor Swift, que lançou seu álbum Folklore em julho, é a segunda artista feminina mais ouvida de 2020. Ariana Grande, que lançou seu álbum Positions em outubro, vem em terceiro lugar e Dua Lipa, que lançou seu álbum Future Nostalgia no início deste ano, é o quarto. Halsey, que lançou seu terceiro álbum de estúdio Manic em janeiro, ficou com o quinto lugar.

• A música mais escutada de 2020 foi “Blinding Lights” do The Weeknd, com mais de 1,6 bilhão de streams. No segundo e terceiro lugares, respectivamente, estão “Dance Monkey” de Tones And I e “The Box” de Roddy Ricch. A quarta música mais ouvida do ano foi “Roses – Imanbek Remix” de Imanbek e SAINt JHN, seguida por “Don’t Start Now” de Dua Lipa.

• O álbum mais escutado globalmente em 2020 foi YHLQMDLG de Bad Bunny, que acumulou mais de 3,3 bilhões streams, seguido por The Weeknd com After Hours e o álbum Hollywood’s Bleeding de Post Malone. Completando a lista dos maiores álbuns estão Harry Styles com Fine Line e Dua Lipa como Future Nostalgia.

• The Joe Rogan Experience ocupa o primeiro lugar no podcast mais popular do ano, em todo o mundo. Em segundo e terceiro estão o TED Talks Daily e The Daily, mostrando que os ouvintes estão sempre em busca das notícias. O quarto podcast mais popular foi The Michelle Obama Podcast, seguido pelo programa de comédia e conselhos, Call Her Daddy.

Agora, vamos aos esperados rankings!

Rankings Brasil – Retrospectiva 2020 do Spotify:

Top 10 artistas mais ouvidos no Brasil
Marília Mendonça
Henrique & Juliano
Gusttavo Lima
Zé Neto & Cristiano
Jorge & Mateus
Os Barões Da Pisadinha
Anitta
Matheus & Kauan
Alok
Maiara & Maraisa

Top 10 músicas mais ouvidas no Brasil
Liberdade Provisória – Henrique & Juliano
A Gente Fez Amor – Ao Vivo – Gusttavo Lima
Graveto – Ao Vivo – Marília Mendonça
Volta por Baixo – Ao Vivo – Henrique & Juliano
S de Saudade – Luíza & Maurílio, Zé Neto & Cristiano
Litrão – Ao Vivo – Matheus & Kauan
Barzinho Aleatório – Ao Vivo – Zé Neto & Cristiano
Don’t Start Now – Dua Lipa
Cheirosa – Ao Vivo – Jorge & Mateus
SENTADÃO – Felipe Original, JS o Mão de Ouro, PEDRO SAMPAIO

Top 10 álbuns mais ouvidos no Brasil
O Embaixador in Cariri (Ao Vivo) – Gusttavo Lima
Por Mais Beijos Ao Vivo (ao Vivo) – Zé Neto & Cristiano
10 Anos Na Praia – Matheus & Kauan
Future Nostalgia – Dua Lipa
Todos Os Cantos, Vol. 1 (Ao Vivo) – Marília Mendonça
Agora Eu Pego Mesmo – Os Barões Da Pisadinha
Batom de Ouro – Os Barões Da Pisadinha
Melim – Melim
VIVA (Ao Vivo) – Luan Santana
Celebridade – Orochi

Top 10 mulheres mais ouvidas no Brasil
Marília Mendonça
Anitta
Maiara & Maraisa
Luísa Sonza
Dua Lipa
Ludmilla
ANAVITÓRIA
Ariana Grande
Lady Gaga
Billie Eilish

Top 10 homens mais ouvidos no Brasil
Henrique & Juliano
Gusttavo Lima
Zé Neto & Cristiano
Jorge & Mateus
Os Barões Da Pisadinha
Matheus & Kauan
Alok
Dilsinho
Wesley Safadão
MC Kevin o Chris

Top 10 podcasts mais ouvidos no Brasil
Horóscopo Hoje
Café da Manhã
Primocast
NerdCast
Flow Podcast
Autoconsciente
O Assunto
Mamilos
Inglês do Zero
Filhos da Grávida de Taubaté

Rankings globais – Retrospectiva 2020 do Spotify:

Top 10 artistas mais ouvidos no mundo
Bad Bunny
Drake
J Balvin
Juice WRLD
The Weeknd
BTS
Billie Eilish
Taylor Swift
Post Malone
Travis Scott

Top 10 músicas mais ouvidas no mundo
Blinding Lights – The Weeknd
Dance Monkey – Tones And I
The Box – Roddy Ricch
Roses – Imanbek Remix – Imanbek, SAINt JHN
Don’t Start Now – Dua Lipa
ROCKSTAR (feat. Roddy Ricch) – DaBaby, Roddy Ricch
Watermelon Sugar – Harry Styles
death bed (coffee for your head) – Powfu, beabadoobee
Falling – Trevor Daniel
Someone You Loved – Lewis Capaldi

Top 10 álbuns mais ouvidos no mundo
YHLQMDLG – Bad Bunny
After Hours – The Weeknd
Hollywood’s Bleeding – Post Malone
Fine Line – Harry Styles
Future Nostalgia – Dua Lipa
Shoot For The Stars Aim For The Moon – Pop Smoke
WHEN WE ALL FALL ASLEEP, WHERE DO WE GO? – Billie Eilish
Legends Never Die – Juice WRLD
Divinely Uninspired To A Hellish Extent – Lewis Capaldi
Changes – Justin Bieber

Top 10 mulheres mais ouvidas no mundo
Biilie Eilish
Taylor Swift
Ariana Grande
Dua Lipa
Halsey
Lady Gaga
Nicki Minaj
Rihanna
Camila Cabello
Selena Gomez

Top 10 homens mais ouvidos no mundo
Bad Bunny
Drake
J Balvin
Juice WRLD
The Weeknd
BTS
Post Malone
Travis Scott
Justin Bieber
Eminem

Top 10 podcasts mais ouvidos no mundo
The Joe Rogan Experience
TED Talks Daily
The Daily
The Michelle Obama Podcast
Call Her Daddy
NPR News Now
Crime Junkie
Stuff You Should Know
Gemischtes Hack
The Journal.

DIRECTV GO chega ao Brasil

A Vrio Corp., empresa líder em serviços de entretenimento digital na América Latina, anuncia o lançamento no Brasil da DIRECTV GO, em operação a partir de hoje. Serviço pioneiro e diferenciado no mercado brasileiro, une o melhor da programação nacional e internacional ao vivo com o conteúdo de streaming. A proposta atende aos anseios dos consumidores multitela de hoje, que buscam acesso conveniente e com liberdade a uma grande variedade de conteúdo em um único lugar. O público poderá ter acesso a www.DIRECTVGO.com.br sem a necessidade de um contrato físico e impresso ou serviço de instalação técnica, precisando apenas de conexão web .

A DIRECTV GO oferece mais de 90 canais, incluindo programação ao vivo da Rede Globo de Televisão, RECORD TV, SBT, Band e Rede TV!. Além disso, oferecerá canais com programação de esportes e campeonatos ao vivo (SporTV, FOX Sports, ESPN BR, SporTV 2, SporTV 3, ESPN, FOX Sports 2, BandSports e ESPN 2) e também dedicados ao mundo do cinema, com milhares de filmes e series (Megapix, TNT, Space, Cinemax, Studio Universal, Paramount Channel, AXN, Universal Channel e Warner Channel), canais infantis (Cartoon Network, Discovery Kids, Gloob, Nickelodeon, Nick Jr., Boomerang, Disney Channel, Nat Geo Kids). Canais de notícias (GloboNews, CNN Brasil e BandNews), música, ciência, documentários e entretenimento, também estão disponíveis.

O serviço está disponível a partir de R$ 59,90 mensais, com um período de teste gratuito de sete dias. Durante o primeiro mês do lançamento, a DIRECTV GO oferece aos consumidores a oportunidade única de garantir o acesso aos canais HBO pelo período de cinco anos, enquanto mantiveram o serviço ativo. O público poderá também adicionar conteúdo extra de acordo com as suas preferências, personalizando o seu serviço (HBO, FOX Premium, Telecine, ESPN Extra, Combate, Premiere e CONMEBOL TV).

A DIRECTV GO é o único serviço deste gênero na América Latina, estando disponível atualmente no Chile, Colômbia, Equador, México, Peru e Uruguai.

O lançamento da DIRECTV GO no Brasil possibilita que milhões de consumidores tenham acesso a uma nova opção de entretenimento, unindo o melhor conteúdo de TV ao vivo com a qualidade e a tecnologia de uma plataforma streaming,” diz Estanislau Bassols, Presidente da Streamco Brasil e da SKY Brasil. “Trazemos uma nova categoria para o público brasileiro, única ao unir o melhor do ao vivo, dos esportes e do streaming de filmes e séries recentes. Ideal para quem demanda conteúdo de alta qualidade com a mobilidade que a experiência digital proporciona, e com um valor justo e competitivo“, complementa Estanislau.

A variedade e extensão do catálogo On Demand da DIRECTV GO inclui diversas produções e séries como Yellowstone e The Handmaid’s Tale, da Paramount. O público também encontrará títulos de sucesso da HBO como Game of Thrones, Watchmen e Big Little Lies. Além de grandes séries da FOX como This is us, The Walking Dead e Homeland. Os assinantes também terão acesso a milhares de filmes como De Pernas pro ar 3 e John Wick – de volta ao jogo, do Megapix; 1917, Nasce uma estrela e Rocketman, do Telecine; e ainda Coringa e os oito filmes da saga Harry Potter, da HBO.

Entre as ofertas de esportes, a plataforma de streaming terá uma ampla gama de opções como o Campeonato Brasileiro, NBA e UEFA Champions League. Nos canais SporTV, será possível assistir ao Brasileirão, UFC e Superliga de Vôlei. Nos canais FOX Sports e ESPN, o público terá acesso a La Liga, Premier League e NFL, assim como as mais importantes competições locais e internacionais.

Na CONMEBOL TV, produto exclusivo da Confederação Sul-Americana no Brasil com produção e programação da NEWCO (empresa do Grupo Bandeirantes), os usuários terão acesso aos jogos da CONMEBOL Libertadores, CONMEBOL Sul-americana e CONMEBOL Recopa para as próximas três temporadas.

#Eleições2020 geraram mais de 15 milhões de Tweets no Brasil

As conversas sobre as #Eleições2020 marcaram presença no Twitter no Brasil ao longo dos últimos meses. Desde o dia 1º de setembro até a manhã desta segunda-feira (30), foram contabilizados 15,9 milhões de Tweets sobre o tema em todo o Brasil – um crescimento de 63% em relação às conversas sobre as eleições de 2016 (volume computado entre 22 de agosto e 31 de outubro de 2016).

Para trazer um panorama de todo o período eleitoral deste ano, levantamos dados relacionados às conversas em torno do assunto no Twitter no Brasil. Confira abaixo o ranking dos candidatos mais mencionados, os temas mais comentados, e os emojis mais utilizados na plataforma.

Candidatos mais mencionados

• Guilherme Boulos ( @GuilhermeBoulos ) – São Paulo

• Celso Russomanno ( @celsorussomanno ) – São Paulo

• Bruno Covas ( @brunocovas ) – São Paulo

• Marcelo Crivella ( @MCrivella ) – Rio de Janeiro

• Arthur do Val ( @arthurmoledoval ) – São Paulo

• Manuela D’Ávila ( @ManuelaDavila ) – Porto Alegre

• Eduardo Paes ( @eduardopaes_ ) – Rio de Janeiro

• João Campos ( @JoaoCampos ) – Recife

• Marília Arraes ( @MariliaArraes ) – Recife

• Joice Hasselmann ( @joicehasselmann ) – São Paulo

Temas mais citados

• Saúde

• Covid-19

• Educação

• Direitos humanos

• Economia

• Violência

• Corrupção

• Desemprego

• Questão Ambiental

• Habitação

Emojis mais utilizados

• 😂

• 🤡

• 🤔

• 🤣

• 😍

• 🥰

• 🙏

• 💜

• 👍

• ❤

SPAM no celular aumenta: 86% dos usuários móveis afirmam ter recebido chamadas indevidas

Se a expectativa dos assinantes de serviços móveis era ter a privacidade de seus dados preservada, assim que a Lei de Proteção de Dados (LGPD) entrasse em vigor, a realidade se apresenta bem diferente do esperado. É o que revela a mais recente pesquisa online Panorama Mobile Time/Opinion Box – Senhas e Biometria no Brasil, que ouviu 2.036 brasileiros que acessam a Internet e possuem smartphone entre 13 e 26 de outubro de 2020.

A pesquisa sobre o uso de senhas e biometrias também pretendeu apurar a proporção de internautas brasileiros que já receberam uma chamada telefônica de televendas no celular com dados pessoais que não reconhecem ter compartilhado com a empresa que fez a chamada: 86% dos entrevistados responderam que sim. A proporção é maior entre aqueles das classes A e B (91%), mas afeta os usuários móveis das classes C, D e E (85%). As chamadas indevidas acontecem com jovens de 16 a 24 anos (83%) e afetam mais aqueles com 25 anos ou mais (88%).

Segundo Fernando Paiva, editor do Mobile Time, o problema está piorando. “Quase a metade das pessoas, 44%, que já receberam esse tipo de spam telefônico afirmam que a frequência de tais chamadas aumentou nos últimos 12 meses, enquanto 24% relata que a situação ficou igual e 32% alega que diminuiu. Infelizmente, apenas pouco mais da metade dos internautas brasileiros com smartphone (52%) já ouviram falar na LGPD”, comentou o coordenador da pesquisa.

A pesquisa também sinaliza que na população em geral esse percentual deve ser ainda menor, pois ela aponta uma diferença significativa por classe social. Enquanto 67% dos respondentes das classes A e B declaram já ter ouvido falar na nova lei, a proporção é de 48% entre aqueles das classes C, D e E. Há também uma diferença por faixa etária: os jovens de 16 a 29 anos estão menos cientes da LGPD (48%) que os grupos de 30 a 49 anos (54%) e com 50 anos ou mais (55%).

“A expectativa da sociedade é que a confidencialidade das informações pessoais sejam respeitadas a partir da entrada em vigor da LGPD. Os números mostram um problema que as empresas terão que responder. Esperamos, por outro lado, que os números da próxima pesquisa apresentem uma mudança, já que começaram em agosto de 2021 as sanções pela LGPD”, afirma Paiva.

A confiança dos usuários nas empresas, instituições públicas e redes sociais

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Senhas e Biometria no Brasil também ouviu a opinião dos brasileiros em relação às empresas, instituições públicas e redes sociais quando o assunto é a proteção de seus dados pessoais. Os bancos possuem o maior índice de aceitação entre os brasileiros: 55% dos entrevistados afirmam que confiam na gestão de seus dados pessoais nestas empresas. Os órgãos governamentais e distribuidoras de energia firmam a segunda posição, com 36% cada. O maior problema está nas redes sociais: 42% dos pesquisados afirmam que desconfiam completamente ou desconfiam um pouco delas. Para efeito de comparação, segundo os organizadores da pesquisa, no ano passado, esse percentual era de 36%. E, de um ano para cá, a proporção de respondentes que declaram confiar completamente ou confiar um pouco nas redes sociais diminuiu de 31% para 22%. Essas foram as maiores variações registradas pela pesquisa na comparação com sua edição anterior. Os escândalos envolvendo fake news e spam de mensagens provavelmente afetaram a imagem das redes sociais junto à população.

Gerenciamento de senhas

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Senhas e Biometria no Brasil também apurou como os brasileiros gerenciam suas senhas e constatou que 67% dos entrevistados afirmam que possuem no máximo cinco senhas para gerenciar seus serviços digitais. Entre aqueles que admitem que repetem senhas para serviços diferentes estão 59% dos brasileiros.

A memória continua sendo uma aposta de muitos usuários: 63% dos brasileiros confiam nessa capacidade mental para guardar suas senhas; 24% gosta de anotá-las em papel; e 13% armazena as senhas em arquivos digitais. O uso da memória é mais comum entre os jovens de 16 a 29 anos (65%) do que entre aqueles com 50 anos ou mais (56%). Na anotação em papel acontece o inverso: ela é mais utilizada pelo grupo mais velho (33%) e menos pelos jovens (21%).

Sobre os métodos utilizados pelos brasileiros para se autenticar em algum serviço digital no smartphone, os usuários têm preferência pela leitura digital (46% dos entrevistados). O reconhecimento facial é a preferência de 20%, o reconhecimento por voz para 8% e o escaneamento de íris, 4%.

Quando questionados sobre os métodos considerados mais difíceis e desconfortáveis, 25% dos entrevistados apontam o escaneamento de íris. Em seguida vem o recebimento de token por sms. O reconhecimento facial foi citado por 14% dos pesquisados, enquanto as senhas ficam com 9% e leitura digital 7%. Somam 11% os que acham que nenhum destes métodos é confortável.

A proporção de brasileiros que prefere “terceirizar” a gestão das senhas ainda é relativamente pequena. 22% afirma que permitem que o navegador na web decore suas senhas e 12% utiliza algum

serviço digital de gerenciamento delas. Na pesquisa era permitido que o entrevistado respondesse mais de um método utilizado para armazenar senhas e 28% dos brasileiros admitem que usam datas de aniversário ou nomes de familiares para compor senhas e que 56% trocam suas senhas

recorrentemente por questões de segurança. A proporção de brasileiros que admitem ter já ter tido algum serviço digital invadido porque descobriram sua senha é 12% dos entrevistados.

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Senhas e Biometria no Brasil tem validade estatística, com margem de erro de 2,2 pontos porcentuais e grau de confiança de 95%. Ela pode ser baixada em www.panoramamobiletime.com.br.

As tendências para o mercado de vídeo

Os brasileiros gostam de vídeo: na TV, no cinema, nas redes sociais e, também, no streaming. Com as aceleradas mudanças de comportamentos instigadas pelo isolamento social, os brasileiros passaram a adotar melhor a tecnologia no dia-a-dia, tornando o nosso mercado ainda mais favorável para a batalha dos streamings. E para disputar a atenção (e o bolso) do consumidor, é preciso entender como ele consome mídia. A Kantar acaba de lançar a edição 2021 do estudo Tendências e Previsões de Mídia, que traz insights de especialistas sobre quais comportamentos do público e dinâmicas de indústria vieram para ficar.

Fidelizar para ganhar

Em 2021, os comportamentos das audiências serão ainda mais complexos e difíceis de decifrar. Segundo o The Streaming Guide, estudo Kantar IBOPE Media, 98% dos usuários de internet consomem algum tipo de conteúdo via streaming de áudio ou vídeo e 73% afirmam que o consumo de streaming de vídeo (pago ou gratuito) aumentou após o início da atual crise. Neste ano, o número de assinantes destes serviços atingiu 36%, contra 29% no ano anterior. O cenário promissor, também, traz desafios: o de fidelizar o público.

“As opções de entretenimento se tornaram mais indoor e as pessoas passaram a experimentar mais com o digital, com um consumo expressivo de TV online, vídeo sob demanda e streaming. A chegada de novos players, como a Pluto TV e a Disney+, aquecem o mercado nacional já em alta com o sucesso da Netflix, Globoplay, Prime Video, entre outros”, comenta Adriana Favaro, Diretora de Negócios da Kantar IBOPE Media no Brasil. “Mas tem um ponto, quantas plataformas posso assinar? Uma das tendências apontadas no nosso relatório é o ‘assinante-bumerangue’, que enxerga as plataformas como intercambiáveis, migrando entre serviços sob demanda e serviços de streaming, elevando a batalha a outros níveis”, explica.

De acordo com o Tendências e Previsões de Mídia, é cada vez mais comum o perfil de consumidor que navega entre plataformas e se vê, muitas vezes, diante da difícil decisão de aumentar o número de assinaturas ou de cancelar um serviço para contratar outro. Nos EUA nota-se um aumento no número de consumidores migrando de plataformas: no quarto trimestre de 2019 esse público representava 5%, já no terceiro trimestre de 2020 esse número cresceu 12%. Já o número de consumidores bumerangue, que entram e saem do mercado de streaming, aumentou de 9% no quarto trimestre de 2019 para 14% no terceiro trimestre deste ano.

“Essa tendência irá acelerar em 2021 com a consolidação de mais plataformas. Um caminho promissor para o sucesso são as parcerias entre os players do mercado. Estabelecer acordos de colaboração e investir em agregadores de conteúdo é uma das formas para reduzir a taxa de cancelamento de assinaturas, garantir fidelidade e ofertar conveniência para o consumidor. Esse movimento deve ser umas das prioridades para que o modelo de negócio de assinatura seja sustentável”, afirma Adriana.

A TV e o streaming lado a lado

A televisão teve níveis recordes de audiência em 2020 com as pessoas passando mais tempo em casa. Ao passo que a TV mostra seu potencial de público, as emissoras estão, também, ampliando suas ofertas de vídeos sob demanda e seguem expandindo e diversificando suas plataformas garantido conteúdo premium para o consumidor que quer escolher o quê assistir, quando e em que tela.

O Tendências e Previsões de Mídia aponta que a TV reforçou seu papel de unir as pessoas dentro de casa, principalmente durante o período de mais força do isolamento social, sendo a principal tela das residências. No Brasil a predominância dos acessos a conteúdo de vídeo é por meio da TV, seguido do smartphone e do computador. A Kantar IBOPE Media tem um painel de testes para medição crossmídia, em São Paulo, que faz parte do CMAM – Cross Media Audience Measurement – uma tecnologia que está em implementação no Brasil para detalhar o consumo de streaming e de TV. Nas primeiras avaliações, foram consideradas três plataformas: Netflix, Youtube e BVOD (plataformas digitais das emissoras). 58% dos brasileiros acessam o Netflix pela TV, 36% pelo celular e 5% pelo computador. Já o Youtube tem 66% dos seus acessos pelo celular, 18% pelo computador e 16% pela TV e as plataformas digitais das emissoras de TV seguem tendência similar do Netflix, 53% pela TV, 33% pelo celular e 13% por meio do computador.

“Nunca foi tão urgente entender a audiência quanto agora, neste cenário de múltiplas escolhas e intensificação da oferta. A medição em todas as telas e plataformas deve ser levada a sério para entender a flutuação da audiência. Com o aumento da concorrência, limitados pelo tempo e pelo bolso dos espectadores, todos os players precisam saber o valor de ter uma visão integrada da audiência”, afirma Adriana.

Leia os artigos completos dos especialistas da Kantar e saiba mais sobre as Tendências e Previsões de Mídia para 2021. O arquivo está disponível gratuitamente neste link.

Black Friday: Brasileiro busca mais por “esquenta” e Black Week

O fim de semana que antecede a chegada do mês de dezembro, quando acontece a Black Friday, data em que muitas pessoas aproveitam para fazer suas compras de Natal, é uma data comercial muito importante para o mercado nacional. Os consumidores estão atrás de promoções para economizar, e pensando nisso a SEMrush, líder global em marketing digital, fez um levantamento para entender o cenário de interesse, e constatou que a procura por esquenta Black Friday aumentou 146%, e Black Week aumentou 94% comparando 2019 a esse ano. E o número total de buscas por Black Friday chegou a 1,2 milhão em outubro de 2020.

De acordo com Fernando Angulo, Head of Communications da SEMrush, com a consolidação da data no Brasil, os consumidores já estão mais acostumados a buscar oportunidades não apenas na sexta-feira. “Os dados são importantes pois apontam um comportamento interessante do consumidor, mostrando que estão ainda mais atentos às promoções que antecedem a data. Para as marcas, é importante aproveitar não apenas o interesse, mas também o tráfego gerado por esses consumidores, para já oferecer promoções atrativas em busca de conversão”, aponta o especialista.

Seguindo com a busca de produtos relacionados à data, PS4 contou com 3,6 mil buscas mensais em outubro, junto com TV (1,9 mil) e Smart TV (mil). O leitor de livros digitais Kindle também figurou entre os mais pesquisados, com mil buscas do termo somado à Black Friday no último mês. Consoles como Xbox e Nintendo Switch, com mil e 880 buscas no mês, respectivamente, também foram bem procurados.

E por fim, analisando somente esse último mês de outubro, a busca pelo videogame do momento, o novo PlayStation 5 disparou, pois uniu a procura do lançamento com o interesse por descontos na Black Friday, e isso fez com que as buscas somassem 1,5 milhão em valores absolutos. Os consumidores também buscaram pelo modelo anterior, o PlayStation 4, que também obteve 1,5 milhão (busca apenas pelo nome do console, sem relação direta com Black Friday).

Veja a lista dos grupo de itens mais procurados:

1) Celular Black Friday: 5,4 mil
2) TV Black Friday: 1,9 mil
3) Smart TV Black Friday: mil
4) Smartphone Black Friday: 880
5) PC Black Friday: 170
6) Video Games Black Friday: 140
7) Laptop Black Friday: 140
8) Books Black Friday: 140
9) Câmera Black Friday: 50
10) Headphones Black Friday: 30
*dados de pesquisa em outubro de 2020

Já se levarmos em consideração o custo por clique da procura dos usuários, o ranking de busca é encabeçado pelos de descontos oferecidos pela plataforma Whitebook, que somam o total de $13,54. Seguido pelo cpc da Nespresso que chega a $11,41 e a QConcursos, que somam um total de $9,62. O ranking ainda é composto pelos anúncios da Livelo com a taxa de cpc de $8,22 e a Black Friday da Ford, que soma $4,15.

Seguindo o ranqueamento montado pela análise da SEMrush, a taxa de custo por clique da Gran Cursos fica em torno de $3,26, seguida pela Oi com $2,96; o Burger King com $2,75 e a Black Friday do Sem Parar, com $2,57. Para fechar a lista desse custo, figuram as taxas de cpc das promoções oferecidas pela Salinas Maragogi, com taxa de $2,43; a da Volkswagen com $2,81.

Black Friday e as marcas


Depois de entender o perfil dos produtos que os consumidores nacionais estão procurando, o levantamento da SEMrush também pode precisar quais são as marcas mais procuradas nesse momento. O período levado em consideração nessa análise foi apenas o mês de outubro de 2020 e quem ocupa o primeiro lugar é Casas Bahia, com o valor absoluto de 6,6 mil buscas, seguida pela Amazon, que soma o montante de 4,4 mil e a Samsung com 3,6 mil. Em quarto lugar, a Magazine Luiza com 2,9 mil, seguida pela Apple e Ponto Frio com 1,9 mil. O top 10 ainda é composto por Americanas, Kabum e Steam com 1,6 mil e, por fim, a Nike com 1,3 mil.

E a avaliação das marcas ainda mostrou o crescimento da visitas feitas aos sites de compra de cada marca. Confira abaixo:

1) amazon.com.br: 168.52%
2) americanas.com.br: 63.12%
3) apple.com: 31.75%
4) casasbahia.com.br: 129.89%
5) kabum.com.br: 179.22%
6) magazineluiza.com.br: 155.18%
7) mercadolivre.com.br: 40.77%
8) nike.com.br 149.31%
9) samsung.com: 38.97%
10) steampowered.com: 28.63%

*crescimento do tráfego comparando outubro de 2020 a outubro de 2019

Brasil é o segundo país que mais fala sobre Black Friday no Twitter

Dados do Twitter mostram que Brasil é o segundo país que mais Tweeta sobre Black Friday no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. De acordo com o levantamento conduzido pela plataforma, a conversa é tão relevante que é possível observar um crescimento de +130% ano contra ano sobre o assunto. Só em 2019 foram mais de 2,6 milhões de Tweets sobre o tema, sendo que 89% das conversas de foram positivas ou neutras.

A Black Friday vem sendo realizada no Brasil há cerca de dez anos e tem ganhado cada vez mais relevância para comércio, em especial o comércio eletrônico. A tradição de grandes descontos originada nos EUA tem chamado a atenção do consumidor brasileiro, que declarou (64%) que a data é uma boa oportunidade para comprar itens que não comprariam sem o desconto. Inclusive os valores reduzidos nos preços dos produtos estão no primeiro lugar entre as ofertas preferidas dos consumidores, com 86% das menções. Frete grátis (57%) e combos – compras com itens conjuntos – (35%) fecham o Top 3. Parcerias com apps de cashback (receber de volta uma parcela do valor gasto), prática recente no Brasil e que ainda não caiu nas graças da população, aparece com apenas 17%.

Em 2020, por conta da pandemia da Covid-19, espera-se que a grande maioria das compras deve ser feita de forma eletrônica em lojas virtuais. Mas isso não será um problema para que o mercado se aqueça ainda mais para a data. As pessoas no Twitter disseram que já estão mais do que acostumadas a fazer compras online na Black Friday. 40% da audiência declarou que a sua frequência de compras online cresceu nos últimos 3 meses. E um em três entrevistados relataram já terem feito compras online em Black Fridays passadas.

Vestuário em geral (incluindo roupas e sapatos) é a categoria que desperta o maior interesse dos consumidores para este ano (60%). Celulares (55%), Computadores e itens relacionados (53%), Livros/Quadrinhos/ Revistas (47%) e Videogame/consoles (38%) fecham o Top 5.

Quais as categorias que as pessoas do Twitter Comprariam na Black Friday?

• 60% – Roupas/Sapatos/ Vestuário em geral

• 55% – Celulares

• 53% – Computadores e itens relacionados

• 47% – Livros/Quadrinhos/Revistas

• 38% – Video games/Consoles

• 37% – Produtos de beleza e cuidado pessoal

• 35% – Eletrodomésticos e itens para casa

• 28% – Televisões

• 22% – Assinaturas de apps/ serviços de streaming

Fonte – Twitter Marketing Insights & Analytics | Twitter Insight Survey (TIS) 19/08/2020 a 20/08/2020 [n=592]

Tags, , ,

WhatsApp: combatendo a desinformação com informação confiável

O WhatsApp acredita que a melhor forma de combater a desinformação é com informação confiável. No Brasil, a plataforma tem parcerias com organizações independentes de verificação de fatos, para que elas revisem conteúdos denunciados pelos usuários e enviem checagens sobre diversos assuntos.

Os parceiros do projeto de verificação de fatos no Brasil são Agência Lupa, Aos Fatos, Estadão Verifica e AFP Checamos (Agence France-Presse) – todas certificadas e auditadas pela International Fact-Checking Network (IFCN), a Rede Internacional de Checagem de Fatos. O WhatsApp também mantém parcerias com o Projeto Comprova, que reúne jornalistas de 28 veículos de comunicação no país, e com o Fato ou Fake, do Grupo Globo.

International Fact-Checking Network (IFCN)
Lançada em setembro de 2015, a Rede Internacional de Checagem de Fatos (International Fact-Checking Network – IFCN) monitora tendências, formatos e elaborações de políticas sobre fact-checking internacionalmente, publicando artigos com regularidade e auditando o trabalho de checadores em todo mundo por meio de seu Código de Ética. A IFCN reúne mais de 90 organizações que se dedicam à verificação de fatos em mais de 70 países. Em parceria com o Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS Rio), a organização desenvolveu uma versão em português do seu chatbot para enfrentar o desafio da desinformação, especialmente durante a pandemia do Covid-19, e aproximar os cidadãos dos checadores de fatos independentes.
Número: +1 (727) 291 2606
Link: https://wa.me/17272912606

Agência Lupa
A Lupa foi fundada em novembro de 2015 e, desde então, atua no combate à desinformação a partir da checagem de fatos e da educação midiática. Em outubro de 2020, a Lupa lançou um canal no WhatsApp para receber sugestões de verificação, checar conteúdos e esclarecer informações falsas. As sugestões de checagem podem ser enviadas por texto, foto, vídeo, áudio ou link.
Número: +55 21 99193-3751
Link: https://wa.me/5521991933751

Aos Fatos
O WhatsApp lançou com o Aos Fatos o canal de WhatsApp da Fátima — que vem de “FactMa”, uma abreviação de “FactMachine” — uma robô checadora e a voz dos projetos de inteligência artificial e automatização de checagem do Aos Fatos. Seu objetivo é enviar checagens e investigações sobre desinformação de modo que consumidores de notícias na internet possam verificar informações de maneira autônoma e se sintam seguros para trafegar na rede de modo confiável e sem intermediários.
Número: +55 21 99956-5882
Link: https://wa.me/5521999565882

Estadão Verifica
O Estadão Verifica é o núcleo de checagem de fatos do jornal O Estado de S. Paulo. Desde janeiro de 2019, o Estadão Verifica é signatário do código de princípios estabelecidos pela International Fact-Checking Network (IFCN), evidenciando seu compromisso com o apartidarismo e imparcialidade, transparência em relação a fontes, financiamento e metodologia, e política de correções aberta e honesta. O projeto prioriza a checagem de rumores que podem provocar danos a grupos e a indivíduos, conforme seu grau de viralização. As sugestões de checagem podem ser encaminhadas em formato de áudio, texto ou imagem.
Número: +55 11 97683-7490
Link: https://wa.me/5511976837490

AFP Checamos
A Agence France-Presse foi fundada em 1835 e é considerada uma das agências de notícias mais prestigiadas no mundo. O blog da AFP Checamos foi criado em junho de 2018 e conta com uma equipe de jornalistas no Rio de Janeiro, dedicadas à verificação de conteúdos em temas como política, saúde, meio ambiente, cultura e economia. A AFP também faz parte do programa de verificação de fatos do Facebook.
Número: +55 21 98217-2344
Link: https://wa.me/5521982172344

Comprova
O Projeto Comprova é um consórcio de 28 das maiores redações jornalísticas do Brasil para contextualizar e esclarecer informações que podem ser consideradas enganosas ou deturpadas. O Comprova foi a primeira organização de verificação de fatos a usar a API de Negócios do WhatsApp, uma ferramenta para grandes empresas, que ajudou o projeto a identificar e desmascarar boatos virais em escala por meio de uma linha oficial de denúncias no WhatsApp.
Número: +55 11 97795-0022
Link: https://wa.me/5511977950022

Fato ou Fake
Criado em julho de 2018, o Fato ou Fake, serviço de checagem de conteúdos suspeitos do Grupo Globo, reúne jornalistas do G1, O Globo, Extra, Época, Valor, CBN, GloboNews e TV Globo. O canal no WhatsApp foi lançado no dia 11 de novembro de 2020 e é um serviço gratuito que possibilita que os usuários enviem pedidos de checagens de conteúdos disseminados na internet além de informar as últimas verificações realizadas pela equipe. Os usuários podem encaminhar conteúdos para análise em formato de links, textos, fotos, áudios ou vídeos.
Número: +55 21 99474-1741
Link: https://wa.me/5521994741741

Flexibilidade e robustez tecnológica fazem aposta da Jovem Pan no mundo do streaming audiovisual decolar

Para se manter competitiva frente à gradativa migração da audiência para canais digitais como o Youtube e a Netflix, a rádio Jovem Pan lançou, no início de maio, o Panflix, streaming de áudio e vídeo, com tecnologia OTT, do inglês Over the Top, da Agile Content. O diferencial nessa implantação foi a criação de um produto flexível e sofisticado de comunicação, que reúne podcasts, música, jornalismo, entretenimento e esportes. As notícias, o carro chefe da emissora, são organizadas por linhas editoriais, inclusive hardnews, com tecnologia de produção e distribuição digital de conteúdo audiovisual, além de recursos que permitem à Jovem Pan monetizar seus produtos e estreitar o contato com seu público.

A aposta garantiu para o Panflix, em cinco meses, estar os três melhores streaming de música e vídeo, em votação popular do iBest . E não é só isso, os conteúdos, ao vivo e on-demand, produzidos nos estúdios da Pan somam mais de 232 milhões de visualizações por mês em todo o Brasil.

O Diretor de Serviços Profissionais LATAM da Agile, Rafael Fuzari, explica que a demanda da Jovem Pan consistia em aumentar seu alcance, principalmente diante do crescimento exponencial da concorrência de produtos de vídeo. “Desenvolvemos o projeto de distribuição de conteúdo audiovisual de forma flexível e escalável para atender demandas atuais e futuras. O resultado é surpreendente: o Panflix acumula milhões de visualizações de vídeo por dia, e um catálogo crescente com dezenas de novos conteúdos todos os dias.”

Tecnologia

A rede de rádios, que já publicava seu conteúdo no Youtube, optou por transformar 100% da sua programação radiofônica em vídeo, inclusive transmissões ao vivo, e criar o Panflix. Falando assim, parece algo simples, mas sem a plataforma da Agile Content, essa missão seria impossível. A distribuição de vídeo precisa ser compatível com todos os fabricantes de dispositivos eletrônicos, o que requer uma transformação para os vários formatos digitais – iOS, Android, Smart Tvs etc. – e às mais diversas resoluções, de forma automática e de maneira que a distribuição seja praticamente em tempo real.

“A programação da Jovem Pan é 100% transformada em vídeo, além dos conteúdos de suas afiliadas. O grande desafio foi consolidar todo o conteúdo por meio de nossa plataforma, de modo a atender ao projeto de expansão da rede brasileira de rádio”, comenta Fuzari. Tudo isso por meio de nuvem, com o uso de CDN – Content Delivery Network – e todos os protocolos de segurança.

Com a plataforma da Agile, resolvemos todo o fluxo de vídeo e organização do conteúdo, com a unificação dos diferentes canais editoriais da Jovem Pan em um único lugar, transformação automática para os formatos das diferentes plataformas quando necessário, até chegar aos usuários de acordo com a capacidade de cada conexão de internet, para não haver interrupção ou congelamento, explica o CEO da Jovem Pan, Roberto Araújo.

“A tecnologia da Agile organiza o conteúdo nas diversas editorias e conta com recursos que distribuem corretamente o conteúdo de acordo com a plataforma do usuário e geolocalização”, assinala Araújo.

Fuzari acrescenta: “É uma solução completa, que consolida, organiza e distribui 100% de tudo que é criado pela Jovem Pan, com o conteúdo ao vivo e on-demand, 24 horas por dia.”

O PanFlix, que disponibiliza atualmente mais de 150 mil conteúdos entre jornalismo, esporte, entretenimento, canal kids e podcasting do grupo de mídia Jovem Pan, é um dos poucos serviços de streaming a oferecer programação inédita e ao vivo todos os dias. Em cinco meses, o aplicativo registrou 463 mil downloads com média de 22 minutos de retenção.

Monetização

Além da autonomia na organização editorial, o projeto Panflix abriu novas possibilidades de monetização. “Agora, podemos rentabilizar nosso negócio a partir da publicidade gerenciada por nós mesmos, inclusive com a perspectiva de disponibilizar conteúdo premium”, destaca o Head Digital da Jovem Pan, Fabricio Vulcano.

Outra vantagem do Panflix é o contato e a interação direta com o público, o que não acontecia com a audiência do seu canal no Youtube. “Estamos negociando novas parcerias para ampliar os assuntos tratados no Panflix. Queremos incluir informações de esportes, de nicho e até humor. Também iniciamos diálogo para trazer outros canais do Youtube para o Panflix”, completa Vulcano.

Suporte, treinamento e evolução

Além do desenvolvimento de toda a parte digital, a Agile tem um time de suporte, dedicado à manutenção evolutiva da plataforma. “A Agile também treinou nossos profissionais, de modo a otimizar a utilização das novas ferramentas”, esclarece Fabricio, da Jovem Pan.

Outro diferencial da implantação é o constante “ajuste fino”, feito todos os meses, para adequar a capacidade da solução do Panflix à sua volumetria. O objetivo é nunca ter limite de capacidade para os usuários. “Sempre temos em mente as constantes evoluções tecnológicas, inclusive dos smartphones. Assim, entregamos uma plataforma escalável e com atualização constante,” assinala Fuzari.

Black Friday 2020: Consumo nos e-commerces tende a crescer por conta da pandemia

A Black Friday 2020 acontecerá no dia 27 de novembro, a data é uma das mais aguardadas pelo consumidor por conta das grandes promoções prometidas pelos comerciantes e, desde já, as lojas começam a oferecer descontos e promoções atrativas. Mas com a pandemia do coronavírus, o comportamento do consumidor pode sofrer mudanças com relação ao ano anterior, principalmente comparado as vendas online.

Segundo pesquisa realizada pela NZN Intelligence, durante a Black Friday de 2019, 47,2% dos usuários compraram algum produto nesse período, contra a 52,8% não compraram nada. Destes, 83,5% compraram em lojas online e apenas 16,5% em lojas físicas. Ainda segundo a pesquisa, neste ano, 54,1% pretendem comprar em e-commerce, 40% presenciais e 5,9% não vão comprar nada. Nos anos anteriores, entre os fatores decisivos para o usuário realizar a compra em sites foi de 59% por conta de preços, 26,78% por conta da praticidade e 8,88% pelo produto estar indisponível em lojas físicas.

Ainda assim, o consumo nas lojas físicas sempre foi muito forte e grande parte dos clientes ainda escolheriam estar presencialmente para realizar a compra. De acordo com a pesquisa, 36,84% prefeririam ver o produto pessoalmente, 23,31% por conta dos valores, 11,28% não tinham confiança na loja online ou não encontrava o produto no e-commerce.

Há alguns anos que a Black Friday vem ganhando cada vez mais forças entre o consumidor brasileiro, isso porque nem todos eram adeptos as liquidações de novembro. Dados da pesquisa apontam que 57% dos usuários que nunca haviam adquirido algum produto em uma Black Friday, devem comprar este ano e, exclusivamente, em sites por conta da pandemia. Nas edições anteriores, 83,2% que compraram algum produto, o fizeram em lojas online. Neste ano, o número de pessoas que pretendem optar por e-commerce sobe para 90,11%. Dos usuários que compraram em lojas físicas anteriormente, 64,9% optaram pelo site neste ano, atribuíram à pandemia como principal fator por escolherem o digital.

“Um dado interessante é que imaginávamos que a porcentagem de pessoas que nunca encontraram promoções atrativas como principal motivo para não comprarem algum produto na Black Friday fosse menor que comparado a de pessoas que devem economizar por conta da pandemia. Mas a realidade não é assim. Mais de 23% não encontram boas promoções contra 22% que vão economizar por conta da pandemia. A diferença é tão pequena mas extremamente importante para entendermos o comportamento do consumidor”, explica Tayara Simões, diretora de marketing e vendas.

Liderando a lista entre os produtos mais buscados estão os eletrônicos, como equipamentos para games, smartwatch, notebook e celulares. Seguindo por roupas, livros, TVs, eletrodomésticos, etc.

Vale ressaltar também como é a força da internet em datas sazonais. As redes sociais, por exemplo, continuam como tendência de busca por ofertas para a Black Friday, 33,20% dos usuários gostariam de acompanhar as ofertas nas redes sociais, 13,64% com o formato em vídeo, 11,73% em blogs e 8,23% em lives.

A fim de compreender o que muda nos hábitos de consumo dos brasileiros conforme os segmentos da economia e entender o que já virou tendência em suas rotinas, a NZN desenvolveu um hub de dados para marcas e anunciantes acompanharem os principais números ligados a mudança de hábito dos brasileiros em seus setores. Também é possível que a marca faça levantamentos personalizados com o tema de interesse.

Tayara conta que a motivação para a construção do Hub Intelligence partiu do objetivo da empresa de trazer dados e informações relevantes para que marcas tenham ainda mais insumos para direcionar seus esforços de comunicação digital e suas campanhas.

Para ter acesso aos levantamentos e solicitiar um estudo personalizado, acesse: https://artigos.nzn.io/habitos-de-compra-na-pandemia