Category Jornalismo

Roda Viva entrevista Cristina Junqueira, co-fundadora do Nubank

Nesta segunda-feira (19/10), o Roda Viva recebe Cristina Junqueira, co-fundadora do Nubank – uma das iniciativas de maior sucesso no setor financeiro do país – que falará, entre outros temas, sobre o PIX, o novo sistema digital de pagamentos. Apresentado por Vera Magalhães, o programa vai ao ar, ao vivo, a partir das 22h, na TV CulturaRádios Cultura FM e Brasilsite da emissoraTwitterFacebookYouTube e LinkedIn.

Lançado em 2013 por três sócios – o colombiano David Velez, o norte-americano Edward Wible, e Cristina -, o empreendimento saltou, em apenas cinco anos, de 30 para 1.500 funcionários. Em 2018, alcançou a categoria de Unicórnio, designação para startups com avaliação de mercado acima de 1 bilhão de dólares. Também não demorou muito para aparecerem investidores estrangeiros, entre eles o Goldman Sachs e o Tencent, o maior portal de serviços de internet da China.

O foco do negócio está na otimização de serviços financeiros, como o cartão de crédito internacional sem anuidade e gerenciado por aplicativo.

Formada em Engenharia de Produção com Mestrado pela Escola Politécnica da USP, Cristina Junqueira tem MBA pela Kellog School, uma das melhores escolas de negócios dos Estados Unidos. Foi analista do Unibanco e consultora na Booz Allen e no Boston Consulting Group.

Roda Viva conta com uma bancada de entrevistadores formada por Maria Prata, jornalista; Maria Laura Neves, editora-chefe da revista Marie Claire; Márcio Kroehn, editor-chefe do portal E-Investidor; Angelica Mari, jornalista e colunista da Forbes Brasil; e Nath Finanças, administradora e orientadora financeira. Há ainda a participação do cartunista Paulo Caruso.

Realização: Fundação Padre Anchieta, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal – Lei de Incentivo à Cultura

Tags, , , ,

Novas medidas para preservar e proteger o jornalismo e as redações locais

Por Mary Snapp — Vice-Presidente de Iniciativas Estratégicas

Cresci em Newton, Kansas, e nosso jornal local, The Kansan, era a força vital da nossa comunidade. Às três e meia da tarde, todos os dias, ele pousava em varandas e gramados de toda a cidade, e víamos nossa cultura local refletida em suas páginas: atualizações sobre eventos locais importantes, resultados esportivos do ensino médio, quem tinha ganhado a competição de debates local e a previsão do tempo da qual nossa comunidade agrícola dependia para sua subsistência. Anos depois, como advogada do portal de notícias e informações MSN da Microsoft e dos nossos serviços de notícias, passei a valorizar ainda mais o jornalismo de alta qualidade baseado em fatos e o papel importante que as notícias confiáveis desempenham na sociedade.

Temos buscado meios para que a tecnologia e os recursos da Microsoft ajudem a lidar com alguns dos desafios enfrentados pelo jornalismo e, hoje, quero compartilhar um pouco do trabalho inicial da nossa iniciativa. Criamos um novo programa-piloto baseado em comunidades que busca meios de fornecer novas ferramentas, tecnologias e capacidades a jornalistas e redações e expandir o alcance dos veículos de comunicação locais. Além disso, há um novo programa voluntário, também em formato piloto, que fornece suporte jurídico a jornalistas e pequenas redações, e uma expansão do AccountGuard que ajuda a proteger os jornalistas contra ataques cibernéticos. Aproveitaremos o trabalho já em curso do Microsoft Research e da equipe do programa Microsoft Defending Democracy, concebido para abordar questões como a desinformação.

Estamos começando com uma abordagem muito direcionada. Não temos todas as respostas, mas estamos comprometidos em ouvir e aprender e esperamos que nossas contribuições e aprendizagens sejam úteis para os outros. Procuraremos também adicionar outras medidas e programas à nossa iniciativa à medida que aprendermos mais e identificarmos novas oportunidades.

Os desafios

A imprensa e o jornalismo enfrentam uma crise acelerada. As mudanças na publicidade digital e na forma como as pessoas recebem as notícias – agregadores de notícias, mecanismos de busca e redes sociais – provocaram um impacto significativo no jornalismo e em seu modelo de negócios. Nos últimos 15 anos, os empregos em redações nos Estados Unidos caíram pela metade, e 2.100 jornais fecharam. Nos últimos meses, a pandemia trouxe ainda mais estresse para as redações com o recuo dos anunciantes. Desde janeiro, foram cortados 11.000 postos de trabalho em redações nos EUA.

As tecnologias digitais geram oportunidades de inovação e eficiência operacional, mas também criam o risco de que o conteúdo seja manipulado e usado para disseminar a desinformação, minando a confiança em todos os meios de comunicação. A alfabetização digital das pessoas – a capacidade de encontrar, analisar, avaliar e organizar informações – não acompanhou o ritmo da inovação tecnológica, tornando algumas pessoas suscetíveis a conteúdos manipulados. Em todo o mundo, os próprios jornalistas também vêm sendo cada vez mais alvos de ataques, tanto físicos como cibernéticos. De acordo com uma pesquisa realizada pela Forrester Consulting, mais de 50% das empresas de mídia e entretenimento sofreram três ou mais ataques cibernéticos em um período de 12 meses.

Nossa abordagem

Acreditamos que existem áreas específicas em que a nossa tecnologia ou os nossos recursos podem ajudar. Inicialmente, nossa iniciativa está focada em três áreas:

  • Suporte para redações locais: Fornecer ferramentas, tecnologia, expansão da distribuição e financiamento para programas-piloto
  • Integridade: Usar tecnologia para combater ameaças baseadas em tecnologia, como deepfakes e desinformação, e ferramentas para melhorar a alfabetização midiática
  • Segurança e proteção: Ajudar a apoiar e proteger os jornalistas contra ameaças, incluindo ameaças legais e cibernéticas

Nossa abordagem é direcionada e, na maioria dos casos, focada em programas-piloto iniciais com parceiros e comunidades específicas. Aprendemos com o nosso programa TechSpark a importância de trabalhar com a comunidade para entender suas prioridades, sendo abertos sobre o que não sabemos e assumindo o compromisso de aprender. Como o TechSpark, esperamos que, trabalhando com outras pessoas, inovando e testando, possamos desempenhar um papel na busca de soluções sustentáveis para alguns dos desafios enfrentados pelo jornalismo.

Suporte para redações locais

A primeira área de foco da iniciativa é trabalhar em parceria com fundações da comunidade local para fornecer suporte às redações locais. Esperamos poder apoiar essas redações e jornalistas para que eles usem as últimas ferramentas e tecnologias para fazer matérias de novas formas, experimentem novos fluxos de receita e modelos de financiamento e trabalhem em conjunto com organizações comunitárias. Levaremos conhecimento técnico para as redações das comunidades-piloto e faremos parcerias com outras organizações e fundações do setor para compartilhar conhecimentos e experiências que irão expandir ainda mais o alcance e o impacto da iniciativa. Especificamente, iremos:

  • Fornecer financiamento direto às fundações comunitárias para os custos operacionais, para reforçar a colaboração e atrair financiamento e recursos correspondentes de fundações e outras empresas locais ou regionais
  • Melhorar a tecnologia por meio de doações, produtos e serviços de software com grandes descontos, da Microsoft e de outros
  • Desenvolver capacidades em torno da transformação tecnológica e suporte técnico, business intelligence, incluindo análise baseada em clientes, e habilidades modernas de jornalismo, como jornalismo de dados, usando ferramentas de IA e machine learning e tecnologia construída especificamente para jornalistas, produção de áudio e vídeo e narrativa moderna.
  • Expandir a distribuição de notícias para aumentar seu alcance e reconhecimento, bem como gerar novas fontes de receita. As redações participantes que ainda são parceiras do Microsoft News terão essa oportunidade. Como parceiras, podem alcançar mais de 500 milhões de pessoas em 180 países todos os meses pelo MSN, Bing, Microsoft Edge, aplicativos do Microsoft News e muitos fabricantes de dispositivos móveis e parceiros de distribuição terceirizados. Ao longo de 25 anos, construímos uma comunidade mundial de 1.200 editores e 4.500 marcas de mídia e temos o orgulho de ter compartilhado mais de US$ 1 bilhão em receita com eles desde 2014.
  • Convocar especialistas em novas fontes de receita e financiamento para que as comunidades-piloto possam aprender e desenvolver abordagens que tenham funcionado em outros lugares.Por exemplo, o jornal The Seattle Times compartilhará com as redações-piloto seu modelo de trabalho e experiências de jornalismo financiado pela comunidade.

Começamos esse trabalho com projetos-piloto em Fresno, Califórnia, na região de El Paso–Ciudad Juárez, na fronteira dos EUA com o México, em Jackson, no delta do Mississipi e em Yakima, Washington. Essas quatro comunidades foram selecionadas devido aos sérios desafios que suas redações locais enfrentam, à diversidade de cada comunidade, ao forte apoio da comunidade à imprensa local e às indicações de terceiros que trabalham com o futuro das notícias.

Lidar com os desafios enfrentados por essas redações locais requer uma nova abordagem colaborativa em todas as redações-piloto com os líderes de instituições comunitárias, o meio acadêmico local e regional e organizações sem fins lucrativos. Passamos os últimos meses envolvidos com cada uma dessas comunidades locais para ajudar a definir nossa abordagem e onde podemos ser mais úteis. Essas redes exclusivas de organizações locais estão trabalhando em conjunto para identificar os problemas críticos para suas comunidades e onde há necessidade de relatórios, suporte e recursos adicionais. Você pode consultar a lista de organizações envolvidas nos projetos-piloto aqui.

Integridade

A segunda área de foco é começar a restaurar a confiança nas notícias e informações que as pessoas recebem. Nossos esforços nessa área se baseiam no trabalho do Microsoft Research e da equipe do projeto Defending Democracy da Microsoft. Tom Burt e Eric Horvitz anunciaram recentemente uma série de novas medidas para combater a desinformação, incluindo novas tecnologias como o Microsoft Video Authenticator que ajudam a combater deepfakes e novas ferramentas baseadas no Azure que ajudam a detectar conteúdo manipulado. Eles também destacaram novas parcerias com organizações jornalísticas e uma expansão da implementação do NewsGuard. É claro que a educação pública e a alfabetização midiática são componentes críticos, e Tom e Eric fizeram referência ao nosso trabalho no Center for an Informed Public da Universidade de Washington (UW), na Sensity e no jornal USA Today sobre alfabetização midiática, bem como um questionário interativo para os consumidores.

Segurança e proteção

A terceira área de foco é sobre o uso da nossa tecnologia, experiência e parcerias para ajudar em questões jurídicas, proteger os dados digitais dos jornalistas e ajudar a detectar ameaças. Começamos com duas iniciativas:

Suporte jurídico: Como fiscais dos sistemas políticos, instituições governamentais e outros no poder, os jornalistas nos Estados Unidos dependem de solicitações de registros públicos legais para obter as informações que usam em suas reportagens. Algumas vezes as entidades governamentais recusam esses pedidos, e os veículos de comunicação se veem obrigados a mover um processo caro e demorado para que sejam aprovados. Os veículos de comunicação também vêm enfrentando um número crescente de ações judiciais por parte de indivíduos ou grupos que buscam usar o sistema legal para impedir matérias que não querem que sejam publicadas.

Para começar a enfrentar esses desafios, em parceria com a Davis Wright Tremaine LLP, criamos o projeto-piloto Protecting Journalists Pro Bono Program, (Programa Voluntário de Proteção aos Jornalistas) nos estados da Califórnia e Washington. De início, os advogados voluntários da Microsoft e da Davis Wright Tremaine fornecerão suporte jurídico a jornalistas e pequenas organizações jornalísticas que, de outra forma, não poderiam pagar por suporte jurídico em três campos de atuação: revisão pré-publicação, acesso a registros públicos e defesa de jornalistas contra intimações por informações confidenciais. Atualmente aceitamos solicitações de assistência apenas através de indicações por meio de três parceiros sem fins lucrativos: Reporters Committee for Freedom of the PressFirst Amendment Coalition e Washington Coalition for Open Government. Também estamos trabalhando diretamente com várias pequenas organizações jornalísticas focadas em comunidades carentes. À medida que aprendemos com o projeto-piloto, esperamos expandir para outras regiões e adicionar novos parceiros.

Ataques cibernéticos: As redações e os jornalistas são particularmente vulneráveis, já que lidam com grandes quantidades de dados e informações confidenciais de e sobre fontes. Estamos expandindo nosso serviço de notificação de ameaças Microsoft AccountGuard com a nova oferta AccountGuard for Journalists. O AccountGuard está disponível gratuitamente para os clientes do M365 e fornece notificação de ataques cibernéticos ao estado-nação, rastreando atividades de ameaças a emails e contas pessoais do M365, incluindo Outlook.com e Hotmail, de seus funcionários que optem por participar. O AccountGuard também inclui acesso à treinamento sobre cibersegurança e acesso antecipado a novos recursos de segurança. Atualmente, protege mais de 2 milhões de contas em 30 países, e, até o momento, os inscritos receberam mais de 1.500 notificações de ataques ao estado-nação. O AccountGuard for Journalists estará inicialmente disponível sem custo para as redações que participam do programa-piloto local e os atuais parceiros de publicação do Microsoft News.

Jornalismo saudável

Além do trabalho que estamos desenvolvendo com os outros, acreditamos que também existem importantes questões de política pública. Temos o compromisso de usar nossa voz para defender questões importantes para a imprensa e o jornalismo.  Trabalharemos para ajudar a promover um diálogo nacional, com foco especial em garantir a segurança dos jornalistas, garantir a liberdade de expressão de jornalistas e outros e promover a saúde sustentada da imprensa local.

Democracias saudáveis ​ ​ exigem um jornalismo saudável, e esperamos que nossa iniciativa possa desempenhar um papel de suporte a um jornalismo de qualidade local e nacional, bem como promover a confiança nas notícias. Nos últimos 10 meses, nos reunimos com pessoas das redações e das comunidades de Fresno, El Paso-Juarez, Jackson e Yakima, e nosso otimismo sobre o jornalismo local está mais forte do que nunca. As redações locais são o centro de suas comunidades. Elas não só fornecem atualizações sobre os eventos locais importantes e os resultados esportivos do ensino médio das minhas recordações de infância, como, de tempos em tempos, apresentam investigações locais aprofundadas de relevância nacional. Integridade, segurança e proteção são fundamentais para os jornalistas em todo o mundo. Esperamos que nossas ferramentas proporcionem alguma facilidade para que os jornalistas não se preocupem tanto com ataques e passem mais tempo se concentrando na essência de seu trabalho. Com essas ferramentas globais, parcerias e programas-piloto locais, esperamos desempenhar um papel no suporte a jornalistas, redações e comunidades, à medida que  trabalham para garantir um jornalismo saudável para as próximas gerações.

Fonte: Microsoft

Tags, , ,

Jovem Pan é case de sucesso no Google News Initiative

O jornalismo digital da Jovem Pan figura como case de sucesso do Google News Initiative, plataforma do Google que reconhece as melhores iniciativas de propagação e regionalização do jornalismo na era digital. O grupo se inscreveu com o case que destaca o trabalho do jornalismo local no Youtube, com ênfase para o canal Jovem Pan News que acumula mais de 2,6 milhões de inscritos e, hoje, é líder de audiência no segmento.

O Google News Initiative foi lançado em março de 2018 e, em julho do mesmo ano, foi anunciada a versão do programa para o futuro das notícias em vídeo online, com o Youtube. Para fazer parte do programa não é necessário cumprir requisitos de entrega de conteúdo de curto prazo ou de um benefício para o YouTube, já que não há exclusividade de conteúdo ou requisitos de monetização.

Essa iniciativa do Google veio somar esforços à estratégia da Jovem Pan, que em 2014 trouxe toda sua expertise e credibilidade de produção de conteúdo de rádio para vídeo digital, com transmissões ao vivo de sua programação no Youtube. O auge de transformação digital veio com o lançamento em maio deste ano de sua plataforma de streaming Panflix, que envolveu mais de R﹩ 30 milhões em equipamentos digitais. O grupo montou mais de 10 estúdios equipados com telão 4K e sistema de áudio e vídeo 100% digitais. Isso permitiu que a capacidade de produção e distribuição da emissora aumentasse, passando a produzir conteúdo digital em multiplataforma, on-demand e em real time.

Em 2020, o novo desafio da empresa está concentrado em capacitar sua rede de afiliados. São mais de 90 emissoras espalhadas pelo Brasil dispostas a atingir o mesmo nível de “digitalização” de seu conteúdo jornalístico local para que possam ser distribuídos através do Panflix, que hoje possui mais de 400 mil downloads. “O jornalismo só é válido se for compartilhado. É uma honra para a Jovem Pan ser um dos cases da Iniciativa do Google. Além da plataforma reconhecer o esforço e o trabalho da Pan e a credibilidade do nosso jornalismo, ela é capaz de disseminar todo o nosso conteúdo em grande escala“, comenta Claudine Bayma, diretora de marketing da Pan.

O Google News Initiative acredita que o jornalismo de qualidade requer fontes de receita sustentáveis e que tem a responsabilidade de apoiar a inovação em produtos e o financiamento de notícias. “A Jovem Pan passou por uma grande transformação digital para ampliar seu conteúdo de notícias multiplataforma. Agora queremos ajudar os parceiros a construírem operações sustentáveis de longo prazo em vídeo online. Hoje são mais de 200 milhões de visualizações por mês, em todo conteúdo da Pan, e transmissões ao vivo de mais de 21 horas de notícias por dia. Se isolarmos somente o pilar de notícias, ele é responsável por uma audiência de 7,6 milhões de pessoas“, comenta Fabricio Vulcano, diretor de negócios digitais da Pan. “Um bom caso para nós é aquele em que o parceiro é capaz de dimensionar suas operações, aprender algo novo sobre vídeo digital e compartilhar essa visão com o setor em geral, ou seja, estamos no caminho certo“, complementa.

Tags, , ,