Author admin

Mercado Livre reposiciona sua área de Publicidade

O Mercado Livre, líder em tecnologia para e-commerce e serviços financeiros da América Latina, reposiciona sua plataforma de Publicidade, que passa a se chamar Mercado Ads, com uma nova identidade de marca e novos produtos. Sob o lema “Potencialize o seu onde todos compram”, Mercado Ads se reafirma como o parceiro estratégico de publicidade e negócio de marcas, agências e vendedores que queiram alavancar visibilidade e vendas dentro e fora da plataforma.

“Ouvimos os nossos clientes para poder nos reinventar como plataforma publicitária, trazendo um nome mais simples e intuitivo” comentou Juan Lavista, Diretor de Marketing e Insights LATAM de Mercado Ads. “Continuaremos a sofisticar nossas soluções, para entender cada vez mais nossa audiência e oferecer valor agregado por meio de insights” .

Segundo estudo da GFK, 75% das buscas por produto na internet são feitas diretamente em um e-commerce, o que mostra que os usuários estão nessas plataformas e as marcas têm uma grande oportunidade de conhecê-los. Assim, o marketplace já ocupa um lugar preferencial e passa a ser o protagonista da indústria da publicidade digital. “O e-commerce vem crescendo a taxas aceleradas, atraindo cada vez mais novos consumidores e, consequentemente, se tornando cada vez mais essenciais no mix de mídia por conta da comunicação direta com o target” disse Felipe Paranaguá, diretor do Mercado Ads no Brasil.

“Através da conexão com nossa audiência massiva e com insights únicos há uma oportunidade enorme para empresas de todos os tamanhos explorarem e impulsionarem seus negócios dentro ou fora do nosso ecossistema”, acrescenta.

Mercado Ads destaca-se pela sua eficácia não só ao nível da performance, onde gera em média 28% de aumento nas vendas com campanhas de acordo com estimativas internas, mas também à nível de branding, sendo 244% mais eficaz na construção da marca do que outras mídias digitais, de acordo com um estudo realizado pela Kantar,

“Somos a plataforma que melhor conhece o consumidor e o único que sabe o que acontece ‘depois do clique’ e esse é o grande diferencial que oferecemos às marcas. Fomos reconhecidos, pelo estudo Media Reactions 2020 realizado pela Kantar, como o 3º melhor ambiente de publicidade para os consumidores de acordo com o estudo”, finaliza Paranaguá.

Soluções e oferta do Mercado Ads

Branding

Para potencializar a experiência, o conhecimento e as vendas das marcas nos canais online e offline, o Mercado Ads trabalha com soluções de branding, oferecendo uma ampla variedade de produtos que se adaptam às necessidades de cada marca:

• Vídeo: novo billboard com vídeo dentro da home do Mercado Livre. Por meio desse formato de branding, as marcas poderão contar suas histórias aos milhões de usuários que visitam a página principal da plataforma com intenção de compra.

• Audience deals: com o poder da audiências compradoras do Mercado Livre, as marcas anunciantes podem acessar a estes usuários em outros veículos de mídia fora da plataforma.

• Brand Lift: estudos para marcas de referência, com o objetivo de medir variações no posicionamento de marca pós-campanha.

• Brand Lab: propostas 360 inusitadas para as principais marcas em parceria com a agência de criação MediaMonks.

• Certificações: Mercado Ads oferecerá um programa de certificação de branding, para que marcas e agências possam ser treinadas para desenvolver uma estratégia de marca dentro de um comércio eletrônico.

Performance

Para impulsionar as vendas, Mercado Ads possui uma área de performance com soluções para vendedores profissionais do ecossistema do Mercado Livre. O produto desenvolvido é o Product Ads, através do qual as publicações do anunciante se transformam em anúncios.

• Melhores posições: agora os anúncios com product ads poderão aparecer nas posições 1 e 2 dos resultados de buscas, o que dará maior visibilidade e probabilidade de compra aos produtos promovidos.

• Novo Ad Manager: Nova versão do administrador de anúncios permitindo uma navegação mobile mais simples e rápida, além da criação de múltiplas campanhas e para otimizar o investimento.

• Certificação: Programa de certificação de Performance, orientado aos vendedores profissionais do Mercado Livre para que possam se capacitar em como vender mais e melhor dentro da plataforma

Insights e dados

Dentro de sua equipe, Mercado Ads possui uma área de Insights e BI, que elabora relatórios e gera dados sobre o comportamento dos usuários, informações sobre o caminho de compra realizado na plataforma e como eles interagem com os diversos produtos e marcas. São informações-chave para a tomada de decisão dos anunciantes.

Tags, ,

Impulsionado pelo isolamento social, e-commerce é líder em engajamento nas redes sociais

No segundo trimestre de 2020 o isolamento social foi mantido quase que no mundo todo, mas o engajamento relacionado aos ramos da indústria não se comportou da mesma maneira que no levantamento anterior. Segundo novo estudo da Socialbakers, plataforma líder global em soluções para a otimização de performance corporativa em redes sociais, a liderança absoluta nos meses de abril, maio e junho ficou com o setor de e-commerce, que obteve 17,7% do total de engajamento no Facebook e 24,54% no Instagram.

Já o setor de moda, que liderava o ranking anterior na rede social de fotos e estava no top 3 no Facebook, sofreu queda, e passou a ocupar o segundo e o quinto lugar, respectivamente. Sendo assim, o ramo acabou dando ainda mais espaço para outros segmentos, como é o caso dos serviços alimentícios, que tiveram uma porcentagem 3,6% maior de engajamento no Facebook e subiram duas posições no ranking, comportamento provavelmente impulsionado pelos serviços de delivery.

Segundo Alexandra Avelar, country manager da Socialbakers, o momento vivido com o coronavírus acarretou em grandes mudanças no comportamento das empresas e dos usuários das redes sociais. “A pandemia acelerou a transformação digital em diversos setores e um número cada vez maior de marcas vão entender que o marketing digital eficaz tornou-se um objetivo para qualquer empresa que pretenda melhorar seu funil de venda, desde a percepção à construção de intenção de compra e retenção, em um mundo repleto de interconexões tecnológicas”, explica.

Ainda segundo o levantamento da Socialbakers, houve uma diminuição quanto ao tempo gasto no Facebook agora no segundo trimestre. A quantidade de horas que os usuários passavam no aplicativo havia sofrido um aumento durante o início da pandemia, depois foi diminuindo até retornar aos níveis normais, sendo equivalente ao do mês de janeiro.

Abaixo estão os setores que mais se destacaram em cada uma das redes sociais:

Facebook

1 – E-commerce – 17,8% das interações
2 – Varejo – 15,2% das interações
3 – Serviços – 9,3% das interações
4 – Serviços alimentícios – 9,3% das interações
5 – Moda – 7,5% das interações

Instagram

1 – E-commerce – 24,5% das interações
2 – Moda – 22,5% das interações
3 – Varejo – 14% das interações
4 – Beleza – 11,6% das interações
5 – Serviços – 7,6% das interações

Metodologia do relatório
Os Social Media Trends Reports refletem o banco de dados da Socialbakers no início do trimestre seguinte ao trimestre do relatório. Os dados são extraídos uma vez e não são atualizados entre as liberações.

Tags, , , , ,

Squid lança solução que metrifica sentimentos em comentários nas redes sociais

Squid, empresa líder em marketing de influência e comunidades no Brasil, acaba de lançar em parceria com a Got It, startup paranaense de programação neurológica, uma solução que consegue metrificar os sentimentos em comentários e legendas de publicações nas redes sociais. Por meio de inteligência artificial e programação neurolinguística, será possível realizar as análises de forma automática, para metrificar as emoções que cada pessoa sente quando reage a uma postagem, compreendendo se são positivas, negativas e neutras e os sentimentos contidos e texto e emoji. Essa solução é exclusiva e pioneira no país.

“Essa nova atualização trabalha em duas etapas, na pré campanha, pois vamos compreender os sentimentos e emoções do conteúdos dos influenciadores e assim, prever como a audiência pode reagir e, por fim, entregar relatórios intuitivos e com riqueza de detalhes que ajudam a compreender a performance das ações. Com essa novidade, trazemos transparência para o mercado, por meio de dados analíticos completos. Isso nos coloca na posição de ser a única empresa no Brasil com esse tipo de leitura”, diz Fausto Matsuda, CIO da Squid.

De acordo com Rodrigo Streithorst, CEO da Got It, a parceria das startups vai impactar o mercado de forma positiva, levando uma solução inovadora e única no mercado “A análise de sentimentos nos textos já é um serviço consolidado, mas o que estamos trazendo é uma forma totalmente nova de compreender a comunicação nas redes, porque é além da escrita. Estamos categorizando os sentimentos de emojis que também é um diálogo importante gerado no digital. Unindo nossa tecnologia com a da Squid vamos trazer insights e dados precisos de como as pessoas reagem, de acordo com o que é compartilhado”, finaliza Rodrigo.

Para os emojis, a tecnologia consegue dimensionar o teor, qual tipo de emoção foi demonstrada ali e também se é um sentimento feliz ou triste, por exemplo. A Squid também visa avançar mais um ponto em sua tecnologia, uma vez que os comentários revelam muito mais sobre o engajamento das marcas e influenciadores, do que as curtidas ou visualizações. “É muito importante entender o que o público sente quando comenta em um post, ou ainda como ele reage a determinadas campanhas. Hoje em dia o engajamento se mede pelas emoções”, analisa Matsuda.

Tags, , ,

Levantamento do Twitter aponta que 30% das pessoas irão usar mais aplicativos de mensagens depois da pandemia

Um levantamento realizado pelo Twitter, a partir de dados de pessoas que utilizaram o serviço durante os seis primeiros meses do ano, aponta que novos hábitos digitais impulsionados pelo isolamento tendem a permanecer após a pandemia do Coronavírus no Brasil. A presença da tecnologia na vida das pessoas deve aumentar – 30% delas afirmam que continuarão a usar mais aplicativos de mensagens depois da quarentena e isolamento, e as ligações por vídeo, que anteriormente eram utilizadas apenas para conexões com pessoas distantes, tendem a ficar em alta. O alento de muitos tem sido conversar com entes queridos e amigos pelas telas de celulares e computadores nos últimos tempos. Por isso, 35% das pessoas no Twitter pretendem usar mais ligações por vídeo mesmo após o fim do isolamento.

O estudo, que apontou seis comportamentos e estados de espírito que, ou emergiram, ou foram acelerados por conta do isolamento, apresenta um panorama sobre como as pessoas estão vivendo e como estão lidando com as dificuldades originadas desse período. “As pessoas tiveram que se manter fisicamente distante umas das outras, porém, na realidade, o distanciamento social não existiu de fato. Graças à toda essa tecnologia, muitos se mantiveram mais conectados do que nunca. As vídeo-conferências tomaram conta da rotina de todos. A socialização passou a ser feita, ainda mais, de maneira virtual”, explicou Camilla Guimarães, gerente da área de Pesquisa do Twitter Brasil. “Foram realizadas inúmeras festas remotas ou watch parties para assistir lives de shows, por exemplo. O modo de socializar se tornou fundamentalmente digital e alguns desses novos hábitos muito provavelmente irão permanecer além da pandemia. Para se ter uma ideia deste crescimento, os termos ‘Lives’ e ‘watch parties’ foram mencionados 10x mais do que eram anteriormente”, prosseguiu.

O uso das redes sociais também devem ficar em alta, com 32% de pessoas dizendo que vão manter o uso após a quarentena. Inclusive, uma das coisas que mais foi vista nos últimos tempo foi o crescimento de conteúdo especial para as redes. De acordo com o levantamento, uma em cada três pessoas afirmam estar criando mais conteúdos de vídeo para internet.

Algumas premissas utilizadas pela plataforma para a organização deste levantamento de dados que contempla o que foi dito no Twitter durante os primeiros seis meses do ano. Por mais que os números e informações sejam relevantes, é impossível garantir como, de fato, será o futuro. Mudanças de comportamento são lentas, complexas, e estruturais. Também é preciso levar em conta que o Covid-19 não aconteceu em um vácuo, e sim em um mundo já complexo e de muitas formas agiu como um acelerador de crises. São quase 8 bilhões de histórias diferentes, sendo que a percepção e reflexos de tudo isso pode ser diferente entre pessoas que convivem dentro da mesma casa. Por último, é necessário destacar que a situação ainda está evoluindo e se desenvolvendo dia após dia, sendo um bom momento serem levantados questionamentos sobre o que é considerado normal.

Este isolamento pesou para a maioria das pessoas, impactando fisicamente e emocionalmente. Muitos estão experimentando emoções intensas e oscilantes no dia a dia. A expectativa, pelo que mostra o levantamento realizado no Twitter, é que essa oscilação se mantenha alta até que a situação esteja completamente sob controle. Um termômetro disso é o uso dos emojis na plataforma, já que as “figurinhas” têm como objetivo sintetizar o que cada um está sentindo. Ao observar os mais usados durante o isolamento, fica claro como as coisas têm sido inconstantes.

A análise engloba desde a maneira como as pessoas têm lidado diretamente com o distanciamento social até como as compras tem sido realizada nos últimos meses. Os comportamentos são: Fisicamente distantes, socialmente conectados; Explorando a criatividade; #AsOutrasEpidemias; Em busca de um novo ritmo; Carrossel de Emoções; Consumo contraditório.

Saiba mais sobre o levantamento nos links:

Novas conversas: análise de comportamentos durante a pandemia

Novas conversas: os seis comportamentos

Tags, , ,

Pesquisa do Facebook mostra que 73% dos consumidores começaram a comprar de pequenos negócios de bairro durante a pandemia

O Facebook anunciou hoje duas novas pesquisas globais sobre os hábitos de compra dos consumidores durante a pandemia, e sobre o impacto da COVID-19 nas Pequenas e Médias Empresas (PMEs). Os estudos mostram que, apesar do início da flexibilização do comércio nas cidades, as vendas online continuam em alta (Relatório Situação das Pequenas Empresas), e que a pandemia mudou o hábito de compra das pessoas, que agora priorizam pequenos negócios de bairro.

Pesquisa do uso das ferramentas digitais pelo Consumidor , com a Deloitte, mostra que apesar da crise, pequenos negócios locais se beneficiaram da mudança de hábito dos consumidores, causada pela pandemia da COVID-19. Segundo o estudo, 73% dos consumidores começaram a comprar dos pequenos negócios de bairro durante a pandemia, motivados principalmente pela preocupação com a sobrevivência desses pequenos negócios. E a presença dos pequenos negócios nas plataformas sociais ajudam os consumidores a descobrir novos locais para suas compras. A pesquisa ainda mostra que:

• 48% dos consumidores entrevistados que começaram a comprar de novas pequenas empresas relataram que escolheram esses negócios porque estavam preocupados com a sobrevivência do pequeno negócio ou da comunidade local;

• 67% dos consumidores entrevistados que começaram a comprar de novas pequenas empresas relataram que escolheram essas empresas porque elas ofereciam melhores ofertas ou um serviço mais rápido;

• 54% dos consumidores pesquisados ​​que começaram a fazer compras em novas pequenas empresas relataram que as plataformas sociais os ajudaram a descobrir essas novas pequenas empresas (locais ou não locais);

• 39% dos consumidores entrevistados relataram que esperam gastar mais em pequenas empresas no futuro (locais ou não)

Maior parte da receita das PMEs vem do comércio online

Já a terceira edição do Relatório Global sobre a Situação das Pequenas Empresas (Global State of Small Business Report) – produzida pelo Facebook em parceria com o Banco Mundial e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – consolida a percepção de que as pequenas e médias empresas em funcionamento contaram com os benefícios da digitalização em seus negócios. Nesta terceira fase do levantamento, quase metade dos entrevistados no Brasil relatou que 50% ou mais de suas vendas foram provenientes do digital. Alguns números, referentes a empresas com Páginas operacionais no Facebook no mês de julho, explicam o motivo dessa mudança:

• 47% das pequenas e médias empresas operacionais no Facebook relataram que 50% ou mais de suas vendas foram feitas digitalmente no último mês (Julho),

• 52% dos proprietários e gerentes de PMEs relataram se sentir otimistas em relação ao futuro de seus negócios;

• 77% das PMEs lideradas por mulheres e 91% das pequenas e médias empresas lideradas por homens relataram que estavam em atividade e engajadas em alguma atividade geradora de receita.

O fluxo de caixa, porém, continua sendo um desafio para as pequenas e médias empresas brasileiras: 48% das PMEs em atividade consideram que isso será um desafio para elas nos próximos meses, contra 54% no levantamento anterior e 52% na primeira etapa da pesquisa, em maio. Essa preocupação pode ter relação com a queda nas vendas durante a pandemia: 58% das PMEs em atividade no Facebook no Brasil relataram que suas vendas no último mês foram menores do que no mesmo período do ano passado, e 38% das PMEs operacionais no Brasil relataram ter reduzido o número de funcionários/colaboradores para enfrentar a crise.

Sobre os estudos

Relatório Global sobre a Situação das Pequenas Empresas

Feito com 30 mil líderes de pequenas e médias empresas em mais de 50 países, começou a ser produzido em maio e faz parte de uma série que se encerrará em dezembro, com o objetivo de compreender, mês a mês, a situação das empresas ao redor do mundo, incluindo o Brasil, após as restrições causadas pela COVID-19. No Brasil, a primeira etapa da pesquisa foi realizada entre 28 e 31 de maio de 2020, com pelo menos 457 respondentes no Brasil, e a segunda entre 24 e 30 de junho, com ao menos 246 respondentes. Já a terceira edição foi realizada entre 24 e 30 de julho de 2020, com pelo menos 321 respondentes no Brasil. Para se qualificar para a pesquisa, os respondentes tinham que ser administradores ou donos de negócios com Página no Facebook.


Pesquisa do uso das ferramentas pelo Consumidor

Encomendada pelo Facebook, foi realizada em julho de 2020 com pelo menos 500 entrevistados em cada país. O objetivo da pesquisa da Deloitte foi avaliar como utilização das ferramentas digitais pelos consumidores se adaptou em relação às empresas durante a pandemia em 13 países, inclusive no Brasil. Os entrevistados foram questionados sobre suas opiniões e experiências relacionadas aos impactos do COVID-19 em suas atividades e engajamento com negócios por meio de ferramentas digitais e redes sociais. Após a coleta de dados, um processo de várias etapas foi usado para ponderação para ajustar a representatividade de acordo com as características demográficas, incluindo idade, sexo, educação e região, de acordo com as estatísticas populacionais online mais recentes.

COVID-19 impulsiona demanda por notícias no Brasil

Nova pesquisa publicada hoje pela Luminate, organização filantrópica global, constatou que durante a pandemia COVID-19, 65% dos leitores de veículos digitais no Brasil aumentaram o consumo de notícias. A pesquisa mostra que 92% dos consumidores acessam notícias por meios digitais pelo menos duas vezes por semana, com 83% pelo menos uma vez por dia. A pesquisa também mostra que as plataformas digitais agora respondem por mais da metade (59%) de todo o conteúdo de notícias consumido, destacando o crescente domínio das plataformas digitais¹ como fontes primárias de notícias e informações.

Junto com o aumento da demanda por notícias, a pesquisa, que entrevistou 8.570 pessoas de 18 a 65 anos na Argentina, Brasil, Colômbia e México, descobriu que os consumidores no Brasil estão dispostos a pagar por conteúdo digital, 16% deles já pagando por pelo menos uma assinatura de notícias ou serviço. Embora relativamente modestos, esses números mostram que a disposição de pagar por notícias digitais entre os consumidores no Brasil é maior do que em alguns outros países, incluindo mercados estabelecidos como o Reino Unido (8%) e Alemanha (10%) e não está muito atrás dos EUA (20%)² .

A pesquisa identificou uma série de fatores-chave que influenciam as decisões dos consumidores de pagar por uma assinatura ou serviço de notícias digitais. Para os consumidores que atualmente pagam por notícias, dois dos fatores mais importantes são a capacidade de fornecer conteúdo de alta qualidade (34%), seguida de perto pela credibilidade do veículo como fonte de informações sérias e confiáveis​​(31%). Além desses fatores, a metodologia MaxDiff³ descobriu que para todos os participantes da pesquisa, incluindo aqueles que atualmente não estão pagando pelas notícias, a independência do veículo em relação a interesses políticos ou outros interesses velados também foi importante (4.7 MaxDiff).

(1) Sites on-line de veículos de notícias tradicionais, veículos de mídia digitalmente nacional, mídia social e YouTube

(2) Reuters Institute for the Study of Journalism, Digital News Report 2020 – http://www.digitalnewsreport.org/

(3) Na análise MaxDiff ou “melhor-pior escala”, os participantes escolhem o mais importante / melhor e o menos características importantes / piores de uma lista de itens. Isso resulta em medidas de escala de intervalo que são baseadas em julgamentos comparativos que podem ser facilmente realizados, mesmo quando o número de atributos não é pequeno.

“O jornalismo independente é uma condição para democracias saudáveis, e a disposição em pagar por notícias é central para esta independência. Nesse contexto, o alto consumo e a grande abertura de brasileiras e brasileiros em pagar por assinaturas ou realizar doações a meios de comunicação são boas notícias, tanto para redações como para a democracia brasileira” argumenta Rafael Georges, representante da Luminate no Brasil.

Embora a pesquisa destaque uma série de oportunidades para veículos digitais, ela identificou duas barreiras que os empreendimentos de mídia deverão considerar ao buscar atrair novos consumidores pagantes. Em primeiro lugar, a relevância do conteúdo é fundamental. Dos entrevistados que atualmente não pagam por notícias digitais, 90% dos participantes afirmaram que as informações não eram suficientemente relevantes ou não traziam diferenciais que justificassem um pagamento quando comparados a outras fontes de informação. Em segundo lugar, o custo é um grande problema, com 90% afirmando que simplesmente não estariam dispostos a pagar, especialmente se podem acessar notícias gratuitamente em outro lugar.

Outros dados notáveis ​​da pesquisa são:

• Para 1 em cada 4 consumidores R$ 30 por mês é considerado um pagamento aceitável em compra de notícias digitais

• Em média, o período de assinatura de um serviço de notícias digitais é mantido por pouco mais de dois anos (24,5 meses)

• 26% dos consumidores no Brasil estão dispostos a fazer doações voluntárias a veículos digitais.

A pesquisa foi encomendada pela Luminate – uma das principais financiadoras da mídia independente em todo o mundo, inclusive na América Latina – para fornecer informações adicionais aos veículos de notícias à medida que desenvolvem suas ofertas digitais e procuram aumentar a receita por meio de assinaturas e outros serviços pagos. Esta pesquisa é uma continuidade do trabalho iniciado com o relatório Inflection Point publicado pela Luminate e pela SembraMedia em 2017, que explorou a saúde da mídia digital na América Latina, e o lançamento do programa Velocidad em 2019, acelerador que fornece financiamento e consultoria para novas startups de jornalismo operando na América Latina.

Para acessar a pesquisa completa em português, clique aqui.

Para acessar a pesquisa completa com dados regionais em inglês, clique aqui.

Para acessar a pesquisa completa com dados regionais em espanhol, clique aqui.

Tags, , , ,

TikTok e TEDxSãoPaulo anunciam parceria inédita

Pela primeira vez, o TikTok, plataforma global para a criação de vídeos curtos, divertidos, alegres e autênticos para dispositivos móveis que faz sucesso no Brasil e no mundo, vai transmitir com exclusividade para seus usuários o TEDxSãoPaulo. Com o tema “Ideias que merecem ser espalhadas“, o evento será realizado no próximo dia 26 de setembro, a partir das 16h.

Com duração de quatro horas, o TEDxSãoPaulo será uma forma de disseminar ideias e compartilhar experiências inspiradoras para gerar discussões e reflexões entre o público e os participantes. Na lista de palestrantes, estão nomes como a influenciadora Alexandra Gurgel, o filósofo e historiador Leandro Karnal, a jornalista Ana Paula Padrão, a influenciadora Camila Coutinho, o professor universitário de libras Léo Viturinno e a educadora monja budista, Monja Coen.

A parceria com o TEDxSãoPaulo reforça a vocação do TikTok de ser um aplicativo que fornece aos usuários novas experiências por meio de um conteúdo diversificado, educativo e criativo. O TikTok vem trazendo cada vez mais conteúdo educacional para seus criadores de conteúdo, com grandes oportunidades para troca de conhecimento e democratizando o aprendizado na comunidade digital, apoiando os usuários e fornecendo acesso a conteúdo de qualidade, com alcance de milhões de usuários ávidos por conhecimento“, explica Kim Farrell, diretora de Marketing do TikTok na América Latina.

O TEDxSãoPaulo tem licença de TED, uma organização sem fins lucrativos, que tem a missão de promover ideias. Hoje, as palestras TED, ou TEDTalks, são referência mundial e vistas por milhões de pessoas no mundo todo. E, para tornar esses encontros possíveis, o TEDxSãoPaulo conta com a colaboração e o trabalho de uma equipe de voluntários engajados na causa.

“A equipe do TEDxSãoPaulo adora novos desafios, é fã de aprender fazendo, e sempre busca inovar. Em 2016 fomos o primeiro evento TEDx num estádio de futebol. Em 2020, ano de pandemia, levamos nosso conteúdo para nosso público direto para os seus celulares, na plataforma que melhor trabalha no formato vertical. Estamos orgulhosos de levar estas palestras para os TikTokers brasileiros“, afirma Elena Crescia, organizadora e curadora do TEDxSãoPaulo.

Serviço:

TEDxSãoPaulo O Mundo Mudou

Data: 26 de setembro de 2020

Horário: 16h

Duração: 4 horas (16h às 20h)

Classificação indicativa: público geral

Link para cadastro e outras informações: http://forms.gle/vf7JypCdsg7beCi47

TEDxSãoPaulo: http://linktr.ee/TEDxSaoPaulo

PALESTRANTES

Alexandra Gurgel


Comunicadora, autora do bestseller “Pare de se Odiar” e fundadora do Movimento #CorpoLivre. Tem o canal Alexandrismos no Youtube onde fala sobre gordofobia e preconceito.

Ana Paula Padrão


Jornalista e apresentadora. Empresária, dirige a Touareg, é co-fundadora da Escola de Você e organizadora do evento Mulheres do Amanhã.

Artur Santoro


Curador independente e pesquisador de histórias e culturas afro-brasileiras. Trabalha na Batekoo, uma plataforma de culturas negras LGBTs.

Camila Coutinho


Criadora do blog Garotas Estúpidas, é uma das influenciadoras digitais pioneiras no Brasil e autora do livro “Estúpida, Eu?”.

Edu Lyra


Eduardo Lyra é fundador e CEO do Instituto Gerando Falcões, organização social sem fins lucrativos voltada à promoção social de crianças e adolescentes através do esporte e cultura. O grupo ainda atua na capacitação profissional de jovens e adultos para o mercado. O objetivo principal de Eduardo é que a iniciativa cause impacto em todo o país.

Eduardo Alves Affonso


Arquiteto seduzido pela psicanálise e pela etimologia. Botafoguense. Mineiro. Participa do coletivo literário Flique e tem uma coluna quinzenal na página 3 d’O Globo.

Fabio Manzoli


Realiza workshops de inteligência emocional para homens, com foco na construção de uma masculinidade saudável. Formado em administração de empresas pela FGV.

Gabi Oliveira


Gabi é comunicadora social, youtuber, ativista e podcaster no @afetospodcast. Gabi é formada em Relações Públicas pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Giovanna Heliodoro


Trans preta, é produtora de conteúdo, comunicadora, historiadora, pesquisadora, artista e apresentadora. Youtuber.

Juliana Rosenthal


Roteirista e escritora at Usina de Conteúdo. Fez pós graduação em Dramaturgia e Roteiro na UCLA e é mestre em Literatura pela USP.

Karina Vieira

Comunicadora/Ativista/Livreira e podcaster no @afetospodcast. Estudou Comunicação Social e Gestão de Políticas Sociais na Universidade Castelo Branco e orienta suas pesquisas para a formação da identidade da mulher negra na zona oeste do Rio de janeiro e, por conseguinte, da comunidade negra.

Leandro Karnal


Filósofo, historiador e professor universitário. Graduado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e doutor pela Universidade de São Paulo (USP). Karnal tem publicações sobre o ensino de história, história da América e história das religiões. Assina uma coluna semanal no jornal O Estado de S.Paulo e apresenta um programa na rede CNN.

Léo Viturinno


Surdo, drag queen, ativista LGBTQIA+, youtuber, professor universitário de Libras.

Lorrane Silva

Psicóloga e comunicadora. Portadora de uma síndrome que causa o comprometimento dos membros inferiores e o uso de muletas, usa os canais Pequena Lo para falar de preconceito, alegria e humor.

Lucas Abduch


Malabarista, formado em Circo e Dança Contemporânea. Comanda o canal Malabarize-se com tutoriais e vídeos arte sobre malabarismo e artes circenses.

Milla Monteiro


Professora de Yoga. Apresentadora do programa Alma Viajante do Canal Off.

Monja Coen


Monja budista. Educadora. Uma monja zen budista brasileira de ascendência portuguesa, e missionária oficial da tradição Soto Shu com sede no Japão. Fundadora da Comunidade Zen Budista, criada em 2001 com sede em Pacaembu.

Rachel Maia


Influenciadora. CEO da Lacoste. Colunista das revistas Forbes, Claudia, e Raça. Graduou-se em Ciências Contábeis pela Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU).

Sandro di Segni
Sandro é formado em Efeitos Especiais e Animação 3d pela Vancouver Film School e tem mais de 20 anos de carreira em Efeitos Visuais. Fez filmes como Harry Potter, Super Homem, Jurassic World, séries de TV internacionais e morou em quatro continentes nesse processo.

Victor Collor


Victor Collor é fotógrafo, sócio do restaurante Cozinha 212 e editor do jornal Vic & Co.

Yan Marcelo Carpenter


Yan é carioca. Historiador e fotógrafo urbano, foi o autor da foto do ônibus apinhado de passageiros que viralizou em meio a reabertura da cidade simbolizando o descaso com a pandemia.

Tags,

smartclip completa 7 anos no Brasil e traz novidades em formatos e TV Conectada

A smartclip, companhia global especializada na distribuição de publicidade em vídeo multitelas, completa 7 anos no mercado brasileiro e apresenta novas soluções para os anunciantes com o intuito de colaborar para a construção de conexões entre marcas e consumidores.

Para TV Conectada, por exemplo, a empresa lança o “click to live”, formato para potencializar a audiência das lives promovidas pelos anunciantes em seus canais digitais. Outra novidade é a utilização do QR Code embedado nos anúncios exibidos nas smart TVs, levando tráfego para conversão em mobile.

Já para desktop e mobile, a smartclip traz uma série de novas opções para vídeo interativo, oferecendo aumento das taxas de engajamento e de conversão. São funcionalidades produzidas pelo smartlab, hub de produção e soluções da smartclip, sem custo adicional para o anunciante.

Com as iniciativas, a empresa, que chegou ao Brasil em 2013, fortalece o posicionamento como uma das maiores redes de vídeo em um momento em que o mercado volta a dar sinais de recuperação.

“Estamos preparados para oferecer diversas soluções diferenciadas nos formatos instream e outstream tanto para desktop como para mobile. Com as mudanças nos hábitos dos consumidores e aumento de oferta de conteúdos em streaming, reforçamos o compromisso em apresentar as melhores ofertas em vídeo para os nossos clientes”, afirma Lilian Prado, diretora de Operações da smartclip Brasil.

Os novos produtos são parte dos constantes investimentos da companhia, que tem apresentado crescimento de dois dígitos nos últimos anos. Em 2019, por exemplo, a smartclip expandiu a sua atuação regional – que já contava com operações em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e na Região Sul -, chegando ao Nordeste, Minas Gerais e ao interior de São Paulo.

Para André Zimmermann, sócio-fundador da smartclip Brasil, a empresa conquistou o atual estágio de maturidade no mercado graças às entregas e às relações que desenvolveu ao longo dos anos, tendo trabalhado com as principais marcas e agências do país. Algumas, inclusive, clientes desde os primeiros anos da operação.

“Nós nos tornamos referência pela qualidade do nosso produto bem como pelos resultados obtidos para os nossos anunciantes. Isso porque desenvolvemos soluções tecnológicas alinhadas às ferramentas nativas de brand safety e viewability. Além disso, contamos com publishers auditados regularmente e comprometidos com a qualidade e a veracidade do conteúdo, o que nos coloca em posição de destaque quando falamos de brand safety”, explica o empreendedor.

Para ele, a companhia tem como principais objetivos manter a excelência em suas entregas aos clientes e seguir contribuindo com o desenvolvimento do mercado publicitário.

Tags

Locaweb anuncia aquisição da Social Miner

Líder em serviços de internet no Brasil para empresas de pequeno e médio portes, a Locaweb anuncia a aquisição da Social Miner , empresa que oferece tecnologia e soluções para e-commerces e varejistas aumentarem as vendas, conversões e diminuírem o custo de aquisição de clientes, usando big data e inteligência artificial. A plataforma permite interações em tempo real com os visitantes dos e-commerces, através de mensagens comportamentais, web pushes personalizados e outros canais inteligentes, sempre alinhado à estratégia definida pelo cliente.

Através de inteligência artificial, Big Data e Machine Learning, a plataforma permite impactar o usuário no melhor momento, com o conteúdo individualizado, no canal correto, aumentando com isso as vendas, reduzindo custo de mídia dos nossos clientes e diminuindo o custo de aquisição de novos usuários, ao mesmo tempo que aumenta o Life Time Value (LTV) dos consumidores.

“Sempre apoiamos as empresas e já temos dezenas de serviços para ajudá-los no processo de digitalização de suas operações. Além de atuarmos em presença digital e SaaS, desde 2012 ampliamos e demos muito foco no nosso portfólio de e-commerce e marketing digital, oferecendo soluções que vão desde plataformas para quem quer montar um e-commerce, até ferramentas de marketing para impulsionar as vendas deles.”, afirma Fernando Cirne, CEO da Locaweb.

“Estamos animados em divulgar ao mercado a primeira e extremamente importante aquisição depois da abertura de capital, que ocorreu em fevereiro deste ano. Como sempre fazemos em nossos processos de M&A, fomos extremamente cautelosos e avaliamos centenas de empresas para chegarmos até a Social Miner, foi a escolha perfeita por reunir um produto de extrema qualidade, com um time brilhante. Estamos falando de uma solução que complementará o nosso portfólio, com potencial de gerar cross sell e consistente com a estratégia da companhia de oferecer o maior e mais completo ecossistema para apoiar nossos varejistas no processo de aceleração de suas vendas”, afirma Cirne.

Fundada em 2014, a Social Miner é uma empresa que oferece plataforma SaaS para e-commerces e varejistas aumentarem vendas, engajamento de consumidores, conversão de fluxos de visitantes para cadastros e/ou compras e diminuírem o custo de aquisição de clientes, utilizando big data e inteligência artificial.

Com a integração das soluções da Social Miner, que possui um produto consolidado no mercado, e da All iN – empresa adquirida pela Locaweb em 2013, passamos a oferecer uma suíte completa de serviços que acompanha toda a jornada do consumidor para e-commerces e varejistas de todos os segmentos e tamanhos. Algumas grandes marcas como Natura, Wine, Kabum, Droga Raia / Drogasil, já utilizam a Social Miner para aumentarem as suas vendas, e agora, toda essa tecnologia poderá potencializar as vendas de milhares de clientes da nossa plataforma de e-commerce Tray.

Em média, apenas 1.5% dos visitantes de uma loja online concluem a compra. A Social Miner ajuda a transformar toda essa audiência restante em potenciais compradores. Para isso, utiliza soluções de cadastro e automação de campanhas de marketing ao longo da jornada de compra, otimizando o custo de aquisição (CAC) e aumentando o valor do ciclo de vida do cliente (Life Time Value- LTV).

Com a fusão das soluções da Social Miner e da All iN, passamos a oferecer uma suíte completa de serviços que acompanha toda a jornada do cliente e, por meio de inteligência artificial, Big Data e Machine Learning, poderemos definir o melhor momento para impactar o usuário, com o conteúdo individualizado, no canal correto, aumentando com isso as vendas , reduzindo custo de mídia dos nossos clientes e diminuindo o custo de aquisição de novo usuário ao mesmo tempo que aumentamos o Life Time Value dos consumidores “, afirma Victor Popper , diretor da All iN.

“A Social Miner nasceu com a missão de ajudar as empresas a humanizarem suas relações com seus clientes através da tecnologia e dados, e com isso obterem melhores resultados” afirma Ricardo Rodrigues, cofundador e CEO da Social Miner.

“Decidimos nos unir a Locaweb por entendermos que as nossas soluções são extremamente complementares às da All iN e pelo potencial de conexão em todo o ecossistema da companhia, que deverá acelerar nosso crescimento exponencialmente. Também compartilharmos a mesma visão e cultura focada em pessoas e valorizamos o histórico de sucesso em todos os M&As realizados anteriormente pela Locaweb ” completa Rodrigues.

Seguindo o modelo de atuação da Locaweb em outras aquisições, Ricardo Rodrigues e seu sócio Roger Mattos permanecerão à frente da operação com total autonomia operacional, mantendo também os colaboradores.

Tags, ,

Prêmio Experiência do Cliente 2020 está com inscrições abertas

A 7ª edição de um dos principais prêmios sobre Customer Experience (CX), está com inscrições abertas e vai até o dia 30 deste mês. O “Prêmio Experiência do Cliente”, é organizado pela Track e reconhece profissionais e empresas com iniciativas que têm mudado a experiência dos consumidores no Brasil.

O prêmio está dividido entre as categorias: cultura, inovação disruptiva, métrica, profissional, jornada do cliente, história de destaque e prêmio de destaque. Já entre os curadores estão o Tomás Duarte, um dos principais especialistas em Satisfação do Cliente da América Latina; Cláudia Vale, CEO da FLOW!; Thiago Quintino, Founder da WCES; Luciana Staciarini, sócia da Bain & Company e os integrantes do Cliente Cast, podcast de referência no assunto de Experiência do Cliente. No ano passado, a organização recebeu centenas de inscrições, além de mais de 4.500 votos e a expectativa para este ano é ainda mais alta.

Os empreendedores ou empresas que querem concorrer ao prêmio, precisam se cadastrar no link. Os primeiros selecionados pela curadoria serão divulgados na página da premiação, em seguida, acontecerá a votação do comitê técnico e também do público em geral para a categoria História de Destaque. Já a divulgação dos ganhadores será em dezembro .